Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A pegada não morreu; apenas deslocámos a maior parte das nossas pegadas para o facebook. Enorme pecado, bem sabemos; mas por estes instantes, em que o tempo não abunda, é mais fácil interagir e publicar ali. Esta nossa casa não desaparece; será sempre a referência principal e o lugar das pegadas mais profundas. No entretanto, e quando não nos virem por aqui, é porque estamos aqui:pegadabook. Cliquem no link (não é necessário ter facebook para ler, apenas para comentar) e/ou façam like acima. A todos os leitores e ao sapo, que nunca nos falhou, pedimos desculpa. É coisa de momentos; a pegada será sempre aqui. Aqui é a regra, este anúncio não revela mais do que uma excepção. Já agora, e também no facebook, mas numa onda diferente -- e em que todos os leitores podem ser autores --, visitem o ouvir & falar.

 

 



Uma esperança contaminada

por Fátima Freitas, em 21.04.12
O meu Voto para François Hollande! Voto de fé.
Hoje dei comigo a ter uma centelha de esperança. Ainda por cima num francês!
Infelizmente, nos portugueses que nos (des)governam e que ocupam os mais altos cargos, desde a presidência da República, passando pela PGR até aos órgãos de poder local, não espero nada de bom! Meto-os quase todos no mesmo saco, arrumados entre o BPN, o Freeport, os submarinos, ou outros compartimentos menos onerosos mas igualmente duvidosos. Olho para estas caras e nomes, que já cansam de repetidos, e pergunto-me se não haveria em Portugal gente maior. Sei que sim e conheço alguns mas não estão contaminados…
Aceito que esta ideia generalizada, possa ser resultado de desinformação ou deformação, mas por maior vontade que tenha, não consigo desatar a actividade politica/partidária dos interesses pessoais de quem a exerce. Qual serviço público! Sei que neste ponto estou na norma porque são muitos os portugueses que partilham este pensamento e até há sondagens que o mostram. Não há pois recuperação que me salve. E não é bom, viver num país com esta desconfiança. Estou massacrada e ainda por cima impotente para me insubordinar contra tamanho opressor.
Este estado desafeiçoado da vida politica, faz-me procurar avidamente notícias boas. Por isso hoje, deixo aqui o meu voto para Hollande, porque tive urgência de encontrar sinais positivos na leitura do Expresso: o candidato socialista francês pretende renegociar o Pacto Orçamental Europeu e tentar limitar a especulação com a nossa dívida. Parece uma qualquer vontade de defender o meu país dos “estrangeiros” liberais que o governam. Encontrei uma nesga de esperança nas intenções do candidato. Apanhei esta. Vou aguardar a sua vitória.
Agora só espero que não seja contaminado com o vírus que existe na classe política portuguesa já que existe um infectado em Paris.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:38


Contrariar a resistência

por Fátima Freitas, em 17.02.12

Hoje e contrariamente ao habitual, enrolei-me nuns trajes de velha, agarrei um pau e juntei-me ao desfile de carnaval dos meus alunos e da minha escola. Este ano quisemos avivar a tradição do entrudo e reduzir os gastos. Os alunos, que no início resistiram à ideia preferindo encarnar as personagens dos fatos que abundam nas lojas dos donos da EDP, deixaram-se convencer na sua maioria e lá iam com as roupas velhas que, ora lhes mudavam o género, ora os transformavam em figuras de outros tempos. Claro que não podia ficar de fora e apesar de não ser muito adepta deste festejo, acabei por me divertir, contagiada pelos acessórios e pela empatia das crianças. Também eu contrariei a minha resistência e por momentos esqueci-me da desgraçada vida do meu país e gozei um pouco. Este esforço valeu a pena!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18


Agradecimento

por Fátima Freitas, em 05.02.12
Agradeço ao Rogério da Costa Pereira este convite que me baralhou mas que me deixou muito honrada. Escrever é um dom que não tenho. Faço-o apenas com objectivos profissionais ou em circunstâncias excepcionais. Por isto a primeira ideia que me ocorreu foi recusar mas decidi contrariar-me, pôr-me à prova e desfiar as coisas que digo em surdina, em frases que possam ser lidas. Sou muito implicativa com o que escrevo e dou muitas voltas às palavras até que nasça um texto. Nesta guerra costumo perder muito tempo. Mas vou deixar-me de vírgulas e outros empecilhos e escrever sem censura. Claro que nesta decisão também pesou a admiração que tenho pelo Rogério, pela sua coragem e frontalidade. Portanto aqui estou, nesta sala ainda vazia,mas não prometo nada!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  



subscrever feeds