Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A pegada não morreu; apenas deslocámos a maior parte das nossas pegadas para o facebook. Enorme pecado, bem sabemos; mas por estes instantes, em que o tempo não abunda, é mais fácil interagir e publicar ali. Esta nossa casa não desaparece; será sempre a referência principal e o lugar das pegadas mais profundas. No entretanto, e quando não nos virem por aqui, é porque estamos aqui:pegadabook. Cliquem no link (não é necessário ter facebook para ler, apenas para comentar) e/ou façam like acima. A todos os leitores e ao sapo, que nunca nos falhou, pedimos desculpa. É coisa de momentos; a pegada será sempre aqui. Aqui é a regra, este anúncio não revela mais do que uma excepção. Já agora, e também no facebook, mas numa onda diferente -- e em que todos os leitores podem ser autores --, visitem o ouvir & falar.

 

 



Futebol versus Política

por Cristina Vaz, em 04.05.13

No espaço de 48 horas o Benfica vai passear e o Passos falou ao País.

Com o passeio do Benfica o povo ficou eufórico.

Com as medidas do Passos senti apenas autismo. Mutismo. Indiferença.

Desde sempre que não entendo o fenómeno do futebol.

Tipos que ganham milhares enquanto o Zé trabalha de sol a sol e fica feliz por de noite se sentar no seu sofá moribundo a assistir a uns tipos que marcam golos.

Não fica com mais dinheiro o Zé para comprar pão para o António o filho.

Mas fica feliz porque o benfica vai passear.

Entretanto também não entendo a política.

Porque vejo indivíduos que prometem ajudar o País antes de serem eleitos e depois soa a falso.

Soa a interesses pessoais, soa a mentira.

Entretanto o Passos falou ontem.

Anuncia a nossa morte.

Para o povo, o povo está contente.

Porque o Benfica vai passear.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:59


SABOR

por Cristina Vaz, em 06.02.13

 

Algures no tempo surge em nós a necessidade de aprender a cozinhar.

Misturar ingredientes. Descobrir simbioses entre paladares.

Embarcar na aventura dos sabores.

Sabemos de antemão que os nossos primeiros feitos serão uma desgraça anunciada.

Sal a mais.

Pimenta a menos.

Liquefeito.

Estorricados.

Mas seguimos em frente.

Aprimoramos a técnica e gradualmente

Quase que instintivamente acertamos na dosagem perfeita.

O mesmo se passa com as relações humanas.

Surge uma altura em que há necessidade de as condimentar.

Imprescindivel a dose certa.

Amor qb

Abraços a mais

Beijos a menos

Dependendo da pessoa assim aplicamos os ingredientes.

E assim como na arte de cozinhar

Os relacionamentos necessitam de prática diária

Exercitar e saber quais as doses certas

Para que no fim resulte uma relação perfeita.

Uma saborosa relação.

Um sentimento a mais em alguém que não o merece

Pode adulterar o sabor final do mesmo.

No fim saberemos distinguir cada sabor

E escolher o nosso prato predileto.

Existirá alguém com um sabor único

Impregnado em nós.

Instintivamente saberemos.

E como em tudo na vida

Um sabor perfeito

Requer a nossa entrega

Para sempre.

Enquanto dure.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:22


LIKE THE WIND

por Cristina Vaz, em 03.02.13

Como o vento que agita aquela velha oliveira

Em suaves compassos

Flutua

Roçando a nossa pele

Cortando a nossa alma

Assim estou eu

Fria como o tempo

Perdida como o vento.

Procuro-te em cada vulto que por mim passa

Em cada sorriso que me oferecem

Em cada abraço que não me aquece

Mas não é teu o vulto

Não é teu o sorriso

Não é teu o abraço

E eu?

Que faço?

Faço como o vento

Flutuo

Num mundo onde não pertenço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:18


VIDA(S)

por Cristina Vaz, em 05.12.12

Ainda não percebi o que se passou comigo.
Há umas décadas atrás era tudo tão diferente.
Fui feliz.
Era bonita.
Casei.
Tive dois filhos.
Objectivos.
Sentia que a vida fazia sentido.
Mas o tempo foi passando.
Também passou por mim.
Envelheci.
Hoje ninguém olha para mim.
Não como olhavam outrora.
O cabelo ficou grissalho.
O corpo amarrotado.
A minha cara...
Já ninguém me chama de menina
Como faziam....
Agora sou apenas a velha.
Os meus filhos casaram.
Tiveram os seus filhos.
Não têm tempo...
Deixaram-me aqui.
Nesta ante-câmara da morte
Junto a estranhos
que comigo partilham
o abandono
A solidão.
Todos os dias agora são iguais.
Sento-me aqui
diante desta janela
Onde aguardo uma visita.
As horas sinto-as
Como uma faca que vai perfurando lentamente
o meu corpo débil
Sangro
Ninguém vem
E eu espero....
Mas porque me abandonaram aqui?
Eu amo-vos tanto.
Terei feito algo de errado?
Ou foi apenas porque o tempo passou por mim?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:33


Esqueletos Vaidosos

por Cristina Vaz, em 03.12.12

Focando a retina naqueles com quem diariamente me cruzo

 

Focando a retina naqueles com quem diariamente me cruzo

Que consigo eu ver?

Vejo seres humanos,

Alguns deles de vestes luxuosas, exibindo bens materiais, titulos académicos.

Pessoas gradas. Outros simples, sem grandes aparatos visuais, circunscritos ao que a vida lhes ensinou.

Despindo a vista do supérfulo e do acessório

Consigo ver para mais além...

Atônita constato que no fundo, todos nós somos esqueletos vaidosos,

E em alguma altura da vida nos comparamos a outros "esqueletos"

Esquecendo que temos como handicape

A nossa condição humana

A mortalidade

Que no seu páramo nos Reduz o corpo a pó

E nos liberta a alma.

Valerá por isso a pena

O nosso olhar de superior

Ou de inferior Em relação ao nosso próximo?

Não seria mais justo

Olharmos todos na mesma direcção?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:24


APRENDI

por Cristina Vaz, em 25.11.12

 

Aprendi que a Torre de Marfim que me entorpecia e embriagava os sentidos sempre tinha uma saída.

Uma saída de um baluarte sem sentido do qual me resguardava de coisa nenhuma.

Fora do Castelo não existiam dragões a cuspir fogo.

Também não existiam príncipes encantados montados em cavalos brancos prontos a salvar a donzela em perigo.

Existia vida. Existiam homens e mulheres.

Sentimentos. Atônita constatei que de nada valia temer o desconhecido.

Decidi romper com a letargia,com o conformismo, e partir qual barco à vela sem bússola nem destino.

Deixar a vida fluir apenas. Quando somos jovens idealizamos, perspectivamos, acreditamos que tudo é possivel de alcançar.

Caimos muitas vezes, mas apesar de no meio da história o decorrer não ser o que por nós foi imaginado, arranjamos sempre força interior para nos levantarmos novamente.

Não interessa as vezes que caimos, mas o que apreendemos com as nódoas negras que ficam, quando nos reerguemos.

Fortalece. Por vezes a dor alimenta-nos e certamente que nos torna mais fortes.

Que graça teria a vida se não tivessemos que lutar por nada?

Aprendi a valorizar tudo o que a vida me oferece e a agradecer por isso.

Ainda me resta aprender a ter fé, a acreditar que apesar de todos os momentos serem perecíveis não o são em vão.

Que tudo irá fazer sentido um dia....talvez num espaço sideral.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:18


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Somos hackers universais e acabamos de ter sucesso...

  • Anónimo

    Você está ajoelhado no chão? E você é solicitado p...

  • Anónimo

    Recibí mi tarjeta ATM programada y en blancoretira...

  • Evening Cruzz

    EU OBTIVE MEU CARTÃO ATM ATM EM BRANCO PROGRAMADO ...

  • Anónimo

    Isto já tem quase dez anos, mas para quem vier aqu...

  • Anónimo

    Bom-dia Senhoras e Senhores. Sou uma mulher de neg...

  • Anónimo

    Oferta de empréstimo de dinheiro às pessoas na nec...

  • Sofía Ximena Jimena

    Patricia Deus vai abençoar você e sua empresaMeu n...

  • Fábio João Pedro

    Meu nome é Fábio João Pedro e eu sou de Portugal. ...

  • jose matheus Giliard Alef

    Meu nome é jose matheus Giliard Alef sou do brasil...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  



subscrever feeds