Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O inefável Diário da Avenida, naquela sua vocação de órgão oficioso de todos (diga-se em abono da verdade) os regimes, diz-nos hoje que o próximo Orçamento Comunitário representa um custo de aproximadamente uma bica por dia, para cada um dos mais de 300 milhões de cidadãos da Europa.

Isto é um exemplo daquilo a que os profissionais do marketing chamam técnicas de compensação, dividir para minimizar os impactos psicológicos negativos que o custo de qualquer coisa sempre produz. Acontece que, aquilo que os tais "profissionais" julgam que sabem, já a mim me esqueceu. Ora, se é aritmeticamente correcto fazer aquelas contas em bicas, também o podemos fazer a respeito, por exemplo, dos custos do serviço da dívida pública, previstos no próximo Orçamento do Estado. O resultado é aquele número absurdo do título: duzentos e sete mil e duzentos milhões de bicas. Seguindo o exemplo do inefável diário, da manhã, são 56,7684931507 bicas por dia, para cada português. Porra, que é muito café!


Hoje em dia, e da forma mais obscena possível, muitos portugueses estarão a abandonar a bica e a regressar às mais energéticas sopas de cavalo cansado, do Ti António das Botas. Mais se lhes seguirão, mas facto também, é que tudo o que podemos contabilizar em bicas, podemos fazê-lo apenas em café, tout court. Ora, diz-me o proverbial sô Jaquim, do café da esquina, que aquele rôr de bicas representam cerca de 1,450,435 toneladas de café, durante um ano. Ah! Nada de muito impressionante, só o Brasil produz muito mais do que isso. E no entanto...

No entanto, aquilo que podemos dizer a respeito do serviço da dívida pública portuguesa, podemos também dizer a respeito do conjunto dos países-mártires da Europa, os tais PIIGS. E para este conjunto de países, o serviço das suas dívidas públicas, no seu total, será, para 2013, cerca de 17.405.220 toneladas de café. De acordo com as previsões oficiais do governo dos Estados Unidos, o total da produção mundial, para 2013, será de apenas 8.880.000 toneladas. Menos de metade.

Ora bolas, mas onde é que isto nos leva? A verdade é que já bebi quase meio-litro de café e ainda não cheguei a lado nenhum. A verdade é que, para mim, com o meu percurso pessoal, seria mais natural fazer as contas em barris de petróleo. Não o fiz e por um motivo simples: estaria a pisar uma linha invisível — que os tais "profissionais" não sabem que existe — mas essencial: estaria a fazer o equivalente a passar moeda falsa. E por um motivo simples.

Eis-nos aqui, neste grão de poeira, a que chamamos Terra. No sentido mais essencial, é apenas um motor, accionado à distância pela grande máquina cósmica que é o Sol. E no preciso momento em que escrevo estas linhas, accionado pela nossa estrela, o planeta está a produzir petróleo, e gás natural, e carvão. Acontece apenas que o faz a um ritmo tão lento, que a única forma razoável de encarar algo como os hidrocarbonetos fósseis, é olhá-los como recursos únicos e insubstituíveis. Quando descrevemos os custos do monstro da dívida em toneladas de café, ou de qualquer outro recurso renovável, estamos a comparar os resultados dessa monstruosidade com parte do que a nossa Mãe Comum nos dá, a cada ano. E no ano seguinte, e nos que se seguirem, pelos menos enquanto tivermos algum juízo. Quando consumimos hidrocarbonetos fósseis, estamos, literalmente, a ir ao baú que a Terra encheu, durante muitos milhões de anos.

Acontece que "ir ao baú", é precisamente o que muitos europeus do Sul estão a fazer neste momento. Por isso, e depois de termos colocado o assunto na sua perspectiva correcta, vamos traçar um quadro absurdo: vamos dizer que os Países da União Europeia, no seu conjunto, se apossavam do total de reservas firmes dos 17 maiores produtores mundiais de petróleo, e o vendiam a 100 euros o barril (não faltará muito para lá chegar), apenas para pagar o total do conjunto dos seus serviços da dívida. Quanto tempo é que o baú aguentaria? De acordo com os dados do Eurostat, a resposta é simples: 28,4569992036 anos; o baú chegaria ao fundo antes de 2041. (1)

Nunca é fácil lidar com a loucura. Devo dizer que o gaspar que nos tocou em sorte, me parece essencialmente muito estúpido. É um Verdadeiro Crente, um zelota, e há-de ir para a cama, todas as noites firmemente convicto que está a fazer tudo para nos ajudar a remirmos as nossas culpas, indignos pecadores que somos. Se ele vivesse em Marte, mais não conseguiria do que arrancar-me uma gargalhada ocasional. Mas ele está a destruir este País que é o meu; ele e a sua pandilha estão a destruir este Continente, que também é meu. E por isso, ele está, estão todos, a atingir o ponto em que tudo o que os impeça de continuarem será justificado. Os Povos da Europa vão-se erguer; sempre o fizeram e esta vez não será excepção. Acontece apenas que, quanto mais tempo demorarem, mais difícil será o recomeço, para os nossos filhos.




(1) Estes últimos números estão redondamente errados! Tratei-os como se fossem estáticos, quando aquilo que define a dívida, num quadro de reservas fraccionárias, é exactamente a sua natureza exponencial. O número aritmeticamente correcto será provavelmente inferior a metade, talvez inferior a dez anos. Acontece que eu também tenho os meus limites, e para além dum certo ponto, já não tolero a loucura. Chega!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:44


Mais ultraje

por Licínio Nunes, em 21.11.12
A União Soviética é o único país no Mundo..., em que o passado é imprevisível.
— Anedota soviética, dos tempos da Perestroika
Se eu tivesse um pingo de juízo, não em envolvia em mais uma polémica a respeito das terras do Levante. Mas como continuo a ter tão pouco como aquando das anteriores, aqui vai! Comecemos pelas imagens.

Algum tempo atrás, lancei uma provocação a um amigo de muitas décadas, historiador e fotógrafo, com trabalho de investigação publicado a respeito da fotografia como documento histórico. Disse-lhe: "Toda a imagem digital é arte abstracta". Não vou reproduzir aqui a amena e interessante cavaqueira, a que outros participantes adicionaram desde o estruturalismo a uma larga panóplia de muitas correntes do pensamento humano durante o último século. Vou repetir a minha afirmação original, mas agora em termos mais claros e assertivos:

Toda a fotografia digital é arte abstracta, e esta arte liberta-nos da tirania das ilusões naturalistas que foram construídas desde Niepce atá à última década do século XX; liberta-nos da tirania da fotografia como deus ex machina, um deus que fala por intermédio duma máquina, e devolve-nos ao mais humano da nossa natureza e da nossa memória, edificada a partir do testemunho de outros seres humanos. A fotografia digital é apenas, e em toda a maravilha das narrativas humanas, o testemunho do seu autor. Assim se fez a Ilíada, assim foram escritas as Crónicas de Gilgamesh. Viva a fotografia digital, incluindo — mas obviamente, não limitado a — manipulação de fotografias digitais!

Agradeço encarecidamente os comentários ao meu post anterior, em particular, o link para o que será, eventualmente, a origem de pelo menos parte da imagem que eu publiquei. Aqui fica, com link directo para a fonte, e aqui fica o título que o narrador lhe deu: "Victims of drone", "Vítimas de drone".


Mas vejamos então aquele epítome do Inferno chamado Gaza, e vejamos a imagem original, tal como narrada pela OCHA (United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs). O original está aqui, o que segue são alguns recortes. Alguns recortes do Inferno.


Caro leitor, o que chamaria a um pedaço de terra do qual apenas uma ínfima minoria dos seus habitantes consegue sair? Prisão, provavelmente. Eu também, por isso, eis a primeira legenda nesta narrativa: Prisão.


Mas, no fim de contas, a Faixa de Gaza fica nas costas do Mediterrâneo, certo? E as populações costeiras sempre encontraram no mar uma fonte importante de receitas e de comida. Ou não? Eis a segunda legenda: Bloqueio.


E se não tivéssemos como tratar os resíduos que as nossas sociedades produzem? Como o descreveríamos numa única palavra? Escolhi um termo bíblico: Peste.


Há quantos milhares de anos é que a Humanidade se alimenta da agricultura? Muitos, mas..., que nome daríamos a um conjunto de circunstâncias que impede as populações locais de usarem até o pouco terreno agrícola disponível? Escolhi o mais directo: Fome.


Mas alguma coisa aquela gente há-de produzir. E o que eles produzem, outros hão-de necessitar e hão-de querer comprar. Se os deixarem, claro. Que nome daremos a essa negação? Esta é uma escolha asseguradamente consensual: Roubo.


Nunca houve nenhuma prisão perfeita. Muitos tiranos tentaram e todos falharam. Mas o que é que os habitantes duma prisão procuram? Aquilo que não têm, claro. E o que será que os habitantes dessa prisão mais desejam? Manteiga ou canhões? Tão humano como caminhar em posição erecta, é o desejo de responder à violência com violência. Eis a legenda: Armamento.

E eis o mapa do Inferno, acompanhado das legendas que o descrevem: Prisão, Bloqueio, Peste, Fome, Roubo e Armamento.


Provavelmente poderíamos resumir tudo numa única palavra, e essa seria desespero. Não é, nem nunca foi uma imagem agradável. Mas regressemos rigorosamente ao início e àquela anedota inicial. Retratava a confusão que muitos soviéticos sentiam ao constatarem que as verdades de décadas tinham sido substituídas por factos e interpretações novas, impensáveis até aí, mas também a tentativa de manter a sanidade perante o novo quadro das coisas. Não corresponde à verdade, é claro. Doutra forma, os historiadores não teriam emprego, até porque é possível enganar muita gente, pelo menos durante algum tempo.

A narrativa do Estado de Israel — a quarta maior potência militar do Mundo — como vítima, logo no pleno direito de se defender da agressão, vinda de fora das suas fronteiras (?!!!), continua dominante. O mais provável é que vá continuar a sê-lo. Mas não para sempre. A minha falecida mãe costumava dizer (citando a minha avó materna, que não cheguei a conhecer): "A mentira tem perna curta, nunca consegue ir longe". A verdade acabará por chegar à Palestina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Ruth Breen

    It still feels incredible that my life has changed...

  • Anónimo

    Obtenha um cartão ATM em branco e dinheiro Bom di...

  • Anónimo

    Offre de prêt rapide et sérieuseLes informations s...

  • Anónimo

    Waow this is unbelievable, it is my first time to ...

  • Anónimo

    I am a veteran with the world trade organization h...

  • Anónimo

    Olá, Você precisa de um empréstimo de emergência p...

  • Anónimo

    Você busca fundos para pagar créditos e dívidas?{g...

  • Pito

    Oferta de crédito internacional,WhatsApp: +3519107...

  • Pito

    Oferta de crédito internacional,WhatsApp: +3519107...

  • Anónimo

    Precisa de um empréstimo? Empréstimo comercial? Em...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog