Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Screen-121012-110108.jpg

"Em plena tormenta, um Nobel da Paz para a União Europeia"

http://www.publico.pt/Mundo/nobel-da-paz-2012-para-a-uniao-europeia-1567038

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:16


Um salto qualitativo na integração Europeia

por Luis Moreira, em 25.05.12

Trata-se de um grande salto rumo a uma maior integração europeia.(Publico)" Os países da zona euro estão a ponderar aprofundar de forma significativa a sua união económica e monetária ao assumir um plano que poderá incluir um sistema europeu de garantias bancárias, um regime europeu de supervisão do sistema bancário e a emissão comum, a prazo, de dívida pública através de eurobonds (obrigações europeias). O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, foi mandatado pelos líderes para desenvolver estas e outras pistas e apresentar dentro de pouco mais de um mês um relatório com as opções possíveis e um método de trabalho para as desenvolver."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

A palavra solidariedade não pertence ao léxico dos estados Unidos ou do reino Unido e, muito menos, das brutais ditaduras Africanas e Árabes. Foi a solidariedade que fez da Europa a "terra do mel", todos querem viver cá, incluindo uma certa esquerda que vai "sacando" tudo o que pode ao estado Social mas sempre contra o modelo de sociedade que lhes permitiu viver muito acima do resto do mundo.

Foi, também, a solidariedade que fomentou essa ideia extraordinária que fez crescer a União Europeia. Acontece que os grandes políticos que rasgavam horizontes não existem mais, agora estamos entregues a contabilistas e a uma senhora que "quer a europa alemã e, não, uma alemanha europeia."

Como salientava recentemente um criterioso estudo do grupo de reflexão "Notre Europe", com sede em Paris, a solidariedade tem duas variantes. Existe o acordo de transação simples – a apólice de seguro comum contra a possibilidade desta ou daquela catástrofe – e existe o interesse próprio esclarecido que leva os governos a reconhecer objetivos nacionais numa estratégia de integração partilhada e sustentada.

A União Europeia foi construída com base no último. Há mais ou menos 60 anos, era relativamente fácil. Os horrores de duas guerras mundiais, a ameaça comum representada pela União Soviética e o estímulo representado pelos EUA conferiam uma lógica irresistível àquilo que os fundadores chamavam o processo de construção europeia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:00


Será possível a reanimação?

por Francisco Clamote, em 14.02.12
A União Europeia está morta desde que se substituiu a palavra "solidariedade" entre todos os Estados membros pela palavra "austeridade". Esta, imposta primeiro à Grécia e depois à Irlanda e a Portugal, deu os "brilhantes" resultados amplamente conhecidos: a Grécia  está já a ferro e fogo e Portugal, se não caminha para lá, está cada vez mais pobre, com a actividade económica a cair de mês para mês.

 

(O gráfico que demonstra a última asserção foi roubado ao "Expresso")

 

A União está, no entanto, ainda por enterrar, o que, em tese, possibilitaria a sua reanimação, se houvesse vontade política nesse sentido. Todavia, tudo indica que não vai ser esse o caso. E não será apenas por culpa dos fracos políticos europeus, como geralmente se afirma. O problema, a meu ver, é mais grave, porque, em boa verdade, não se pode falar em "solidariedade europeia", quando já não há "europeus". Há portugueses, alemães, espanhóis e tutti quanti, mas não há "europeus". 
Quando os povos do norte da Europa alcunham os do sul de "preguiçosos" e uns e outros mutuamente se recriminam em vez de se solidarizarem entre si, é óbvio que a Europa já não é mais que um conceito geográfico. E quando até os medíocres governantes de países contados entre os aflitos, como Portugal ou Espanha, não cessam de proclamar que "Portugal não é a Grécia" ou que "Espanha não é Portugal" está tudo dito sobre a existência duma Entidade europeia, quanto mais duma "União Europeia".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:29


Em contramão

por Francisco Clamote, em 21.12.11
"O comissário europeu dos assuntos sociais, Laszlo Andor, mostrou-se hoje muitopreocupado com a emigração de jovens europeus para outras paragens, nomeando "Brasil, Angola e Moçambique", numa mensagem que parecedesenhada para chocar com o apelo à emigração feito pelo primeiro-ministro português, Passos Coelho. Andor não apenas critica a perda de uma "geração inteira" como também recorda o "custo financeiro" que isso acarreta.

 "Alguns jovens já estão a sair da Europa para encontrar emprego em países como os EUA, o Canadá, Austrália ou o Brasil, Angola e mesmo Moçambiquedependendo da sua língua de origem", lamentou o comissário. "Esta tendência não pode continuar: não apenas arriscamos perder uma geração inteira mas também há um custo financeiro. Há, aliás, um recente estudo europeu concluiu que o fardo dos actuais níveis de desemprego para a sociedade é de cerca de dois mil milhões euros por semana ou um pouco mais de 1% do PIB da UE". E por isso, a comissão de Durão Barroso "apela de forma urgente à acção europeia mas também nacional e local" para travar esta sangria geracional."

(Notícia na íntegra, aqui. Negrito meu) 
(Conclusão: até em Bruxelas já se sabe que Passos Coelho não está apto a "conduzir".)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:13


Tudo na mesma, como a lesma

por Francisco Clamote, em 09.12.11
A cimeira da União Europeia, qualificada à partida como a cimeira do tudo ou nada, terminou, mas, ao que tudo indica, em relação à crise do euro e das dívidas soberanas, a actual situação vai continuar mais ou menos na mesma. 
A UE continua dividida, não apenas devido à intransigência do Reino Unido que pretendia obter"algumas derrogações às regras europeias de regulação dos serviços financeiros", mas sobretudo devido ao facto de o coro continuar desafinado, pois são quase tantas as vozes e os tons quantos os países representados. É verdade que há excepções como é o caso de Passos Coelho cuja voz se rege pelo diapasão da senhora Merkel, mas o número dos afinados não dá para formar um coro que se faça ouvir aos "mercados".
Com a Europa a duas velocidades, sem que se tenham afastado todas as dúvidas sobre a aprovação do acordo intergovernamental a consagrar um novo pacto orçamental entre os 17 países do euro e continuando o BCE a não assumir o papel de financiador de último recurso dos Estados membros, é muito provável que a instabilidade da zona euro se mantenha tal como como as ameaças das agências de rating que, ao que parece, já nem elas acreditam na receita da senhora Merkel/Passos Coelho: “Estratégias de ajustamento que se baseiem apenas num pilar, a austeridade, correm o risco de o remédio tornar a doença pior”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:43

Por que é que não exigimos de todos?

por Isabel Moreira, em 20.10.10

Conhecida, mais ou menos, a proposta de Orçamento, penso que a esta hora já não é necessário fazer nova lista das preocupações que a mesma gera no comum dos portugueses. Tenho para mim que qualquer cidadão que não perceba nada de finanças - é o meu caso -, mas que esteja minimamente atento à realidade, começa por se perguntar o por quê de só agora nos virem falar da urgência de tantas medidas de austeridade. É certo que nos podem dizer que é fácil falar no final do jogo, mas certo é também que se os números são os apresentados, há indícios violentos de que não teria sido difícil um juízo de prognose mais cedo. Diz-me o senso comum que o Governo tentou adiar o inadiável, tentou desesperadamente viver como que de forma elástica sem dizer aos governados que havia de lhes dar notícias muito, mas muito más. Acontece que adiar o problema aumenta o problema, não é preciso ser licenciado em finaças para saber isso. Diria, pois, que, ao contrário do que sucedeu em Espanha, por exemplo, por cá acharam por bem viver-se numa ilusão enquanto fosse possível. Ora, não foi possível, não dá, e o resultado está à vista.

Este é o primeiro aspecto que me parece tão certo como dois e dois serem quatro. Em casa, aprendi um princípio segundo o qual reformas adiadas tornam revoluções inevitáveis. Tenho-me lembrado dele. Aqui, a revolução não foi do povo mas a apresentação de um Orçamento feito com uma cruz em cima da sua cabeça, o limite de défice imposto por essa coisa distante, que nos diz pouco no dia a dia, sim, essa coisa, a Europa que tem um presidente da Comissão que explica que há sanções para os os governos que ultrapassem os limites do défice previstos no Pacto de Estabilidade e Crescimento .

Vem então o dito Orçamento, apresentado por um Governo de esquerda. E tomam-se medidas de poupança que atingem os mais fracos e os mais indefesos da nossa sociedade, como esta medida. Há que obter receita rápida, pelo que se corta nos salários dos funcionários públicos, zás, é rápido, desigual, mas dá receita, aumenta-se o IVA violentamente em produtos essenciais à população carenciada, sendo justo pensar se quem o fez tinha na cabeça exactamente os produtos que estavam em causa. Verifica-se um ataque violento às famílias de classe média e baixa com uma simples simulação de preenchimento de modelo de IRS das mesmas sem as deduções abolidas, por exemplo, e por aí fora, toda a gente sabe a história.

Pelo meio, não valendo a penafazer links, já li Passos Coelho recusar-se a aprovar o Orçamento, afirmar que é muito mau o país ficar sem ele, dizer que é uma pessoa responsável, jurar não ceder a pressões para acalmar num dar a ideia de que o aprova, tal como aprovou o PEC.

A responsabilidade pela apresentação do Orçamento é do Governo, mas eu gostava de saber exactamente como é que o PSD, que aprovou o PEC, chegaria àquele número mágico dos 3% do PIB? Como? Já me chegou aos ouvidos o corte na despesa. Agradeço. Mas quero saber duas coisas: como é que o corte na despesa chega para alcançar o objectivo? De que despesa está o PSD a falar? Eu não quero cortes em certas despesas, por exemplo.

Pelo meio, ainda, se olharmos outros países da Europa, sabemos, por exemplo, que meio milhão de funcionários públicos britânicos provavelmente vão perder o emprego. Esta é uma desgraça entre muitas justificadas por um "pacote de medidas de austeridade".

Temos de questionar o Governo que elegemos, temos de esperar mais da oposição, sim, mas temos de, sem desresponsabilizar aqueles, pôr os olhos num mundo que chove cá dentro, num mundo que decide por nós sem que nos preocupemos com os rostos dessas decisões, com a democraticidade das mesmas, com a relação delas com um número que nos surge como se interno apenas. Não podemos ser marionetas. Não podemos gritar de fúria quando a má decisão é do Governo ali em São Bento e cruzar os braços em aceitação porque parece que foi decidido em Bruxelas, é obrigatório.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:01


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Eles são uma equipe de legítimos profissionais HAC...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço genuíno de hackers ...

  • Anónimo

    They are a professional group of hackers beyond th...

  • Anónimo

    Despite all odds, this set of hackers has proved w...

  • Anónimo

    Se você precisar dos serviços de um hacker ético c...

  • Altanhuyg Ariunaa

    Se você precisar dos serviços de um hacker ético c...

  • Anónimo

    Eles são um grupo profissional de hackers além da ...

  • Anónimo

    Eu tenho meu cartão ATM programado pararetirar o m...

  • Anónimo

    Eles são um grupo profissional de hackers além da ...

  • Anónimo

    apesar de todas as probabilidades, este conjunto d...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog