Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



TGV - a opinião de um nosso leitor

por Luis Moreira, em 22.03.12
Há ainda muita ignorância e desinformação sobre aquilo que os políticos apelidaram de TGV.  Em parte esta asneira deve-se ao espírito pacóvio de alguns governantes, que os levaram a tentar convencer a opinião pública em aceitar um investimento público milionário com base na premissa falsa de uma falsa noção de futurismo e progresso, juntamente com uma equiparação a outros povos como os franceses.

O primeiro engano é que isso que apelidam de "TGV" não é absolutamente nada de especial.  Aquilo que apelidam de "TGV" não é mais do que uma ligação ferroviária perfeitamente normalíssima cujo material circulante é capaz de circular a velocidades acima dos 220km/h.  Ora, para isso o único critério que basta cumprir é que as vias tenham declives e raios de curvatura um pouco mais reduzidos.  Nada mais, nada menos.  Ainda há o critério das pontes terem de ser desenvolvidas para aguentar acções dinâmicas associadas à circulação a velocidades elevadas, mas esse problema não só é simples de se tratar como também, como tratam-se apenas de troços com umas centenas de metros, podem muito bem ser desprezados.

Outro engano é que Portugal já tem "TGV"s há longos anos.  Falo, claro, nos célebres comboios alfa pendular.  Esses comboios são comboios capazes de circular a alta velocidade (logo, são "TGV"s) e são até a coluna vertebral das ligações ferroviárias de alta velocidade em países como a Itália.  O único motivo que os nossos alfa pendulares não circulam a altas velocidades é o facto de serem postos a circular em ligações ferroviárias já centenárias, que devido aos raios de curvatura e declives mais acentuados não permitem a circulação a velocidades muito acima dos 80km/h.

Outro engano, talvez o mais grave, é que o "TGV" não é mais do que a reforma desesperadamente necessária da nossa rede ferroviária nacional.  A ligação Lisboa-Madrid e Sines-Madrid é talvez o primeiro grande investimento publico na rede ferroviária nacional do século.  É a criação de uma linha ferroviária que finalmente liga centros logísticos nacionais ao resto do mundo.  Actualmente para se ir de comboio para Espanha e o resto do mundo, os comboios são forçados a seguir um percurso que leva cerca de um dia a sair do território nacional para ir para Espanha, sendo forçado a passar através do Entroncamento, Pampilhosa, Guarda e Vilar Formoso, e dai a seguir para Salamanca.  O "TGV" Lisboa-Madrid elimina esse disparate, criando finalmente uma ligação directa entre Lisboa-Poceirão-Évora-Caia- e por a espanha a fora.

Outro engano é que hoje em dia ninguém faz traçados ferroviários de passageiros para circular a 80km/h.  Nem a 120.  Nem a 180.  E não o fazem pois hoje em dia o mercado está dominado por material circulante desenvolvido para circular a alta velocidade.

Outro engano é que a ligação a Portugal por rede de alta velocidade não foi um vaipe que se meteu na cabeça dos nossos governantes.  É sim um projecto da união europeia com décadas de idade sobre a construção da rede trans-europeia de transportes.

Dito isso, o projecto é sem dúvida caro.  Mas não é um desaire faraónico de um pacóvio do governo.  É sim um projecto há muito necessário e desesperadamente necessário.  Hoje em dia não existe qualquer justificação para depender de transporte rodoviário para sustentar as trocas comerciais nacionais, e o único motivo que força Portugal a depender do transporte rodoviário é a inexistência de uma rede ferroviária adequada e funcional.  Por isso, há que finalmente acabar com esta ignorância e desinformação, pois ninguém ganha com isto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:44

Foi uma assessora com ligações profissionais à Lusoponte  quem redigiu a proposta para pagamento da indemnização dos 4,4 milhões de euros e que o secretário de Estado dos Transportes assinou.

É mais uma evidência que o estado está nas mãos destas empresas que fazem Parcerias Público Privadas em que ganham tudo e o estado paga tudo. Não é por acaso que os contratos são ruinosos para o estado, nem que obtenham monopólios furtando-se à concorrência, que os seus administradores sejam ex-membros de governos...

O deputado Rui Paulo Figueiredo do PS disse esta quarta-feira que a assessora do secretário de Estado dos Transportes, autora da informação em que se baseou o despacho que mandou pagar a compensação à Lusoponte pelas portagens, “teve no passado ligações à Lusoponte e aos accionistas da Lusoponte".
Isto é, no mínimo, deveria ter-se declarado incompatível! Estamos numa situação em que já ninguém sabe onde termina o poder destas empresas do regime, profundamente mergulhadas nos centros de decisão do Estado, ora no estado ora nas empresas numa dança incompatível com o estado de Direito.
É preciso desmantelar este monstro que chega a tudo, está em todo o lado mas não é competente nas funções que lhe são próprias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:41


Fusão nos transportes

por Luis Moreira, em 02.03.12

Novas empresas que resultam da fusão exigem novas administrações .

Os trabalhadores das empresas que atravessam o Tejo já estão em pé de guerra porque as administrações cortaram 55 viagens nos tempos mortos e nos fins de semana. Esta acção dos cortes das viagens é uma "pura acção de gestão" não parece que os sindicatos ou as comissões de trabalhadores sejam responsáveis pela gestão das empresas. Estas empresas apresentam prejuízos não há outro caminho que não seja adequar a oferta à procura.

"O secretário de Estado disse que o Governo mantém o final do primeiro trimestre como o prazo para a nomeação das administrações das empresas que resultarem das fusões entre a Carris e o Metropolitano de Lisboa, a Transtejo e a Soflusa e o Metro do Porto e a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP), adiantando que está em "fase de reflexão relativamente aos potenciais gestores".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

“As ligações diretas da Volotea contornam os grandes ‘hubs’, o que trará benefícios económicos notáveis para ambas as extremidades das suas rotas, apostando numa filosofia de viajar de forma económica e rápida”.

Segundo o comunicado, a companhia usará, inicialmente, três boeing 717, de 125 lugares, e terá como objetivo “servir uma maior rede doméstica e internacional de destinos”, tendo como sua primeira base o aeroporto Marco Pólo, em Veneza.

A nova companhia vai disponibilizar 750 lugares por semana, tendo um voo diário todas as terças-feiras, quintas-feiras e sábados, para a rota Porto-Veneza e os primeiros bilhetes já estão disponíveis “a um preço de lançamento de 19 euros, já com taxas incluídas”, afirma o mesmo comunicado."

É assim que as Low Costs funcionam, em voos directos, para aeroportos mais baratos ( e frequentemente mais longe do destino). Não há almoço nem aero moças giras. Do Porto a Veneza por dezanove euros!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


Privatizações - TAP e ANA são as próximas

por Luis Moreira, em 23.02.12

Informou hoje a Secretária de Estado. Arrumadas a EDP e a REN aí está a vez do negócio do transporte aéreo.

As grandes empresas de transporte aéreo europeias há muito que se juntaram através de compra ou de fusões, daí resultando mega empresas. Com o preço do petróleo a subir para não mais descer, as viagens transatlânticas de longo curso vão ser feitas por aviões com 600/800 lugares que voam para os chamados "hub" ( grandes aeroportos centrais) e daí , em aviões mais pequenos para os aeroportos de destino.

A TAP não tem dimensão para sozinha enfrentar uma situação assim, teria mais tarde ou mais cedo que juntar-se a uma das grandes companhias. Claro que a TAP tem rotas muito apetecidas como são as de África e as do Brasil.

Calcula-se que, no futuro, não haverá lugar na Europa para mais de 4/5 mega companhias de transporte aéreo .

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Cerca de mil trabalhadores já assinaram o acordo de rescisão do contrato "em paz social" como diz o secretário de Estado dos transportes. E vêm aí as fusões e a racionalização da oferta como não pode deixar de ser. Em 2011 foram 1 900 trabalhadores que negociaram a rescisão.

"Sérgio Monteiro disse que o número de rescisões nas empresas públicas de transportes vai depender da avaliação que será feita pelas novas administrações, que resultarão da fusão do Metropolitano de Lisboa com a Carris, da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) com o Metro do Porto e da Transtejo com a Soflusa."

Também foi anunciado que os empréstimos destas empresas obtidos junto da banca serão assumidos pelo Estado como, também, não poderia deixar de ser, pois quem pagaria o "serviço público" e o respectivo desperdício se não os contribuintes?

Entretanto, cheira-me que a "paz social" está a ser comprada com a solução dos inquéritos disciplinares aos trabalhadores. Tudo na paz do Senhor, como é habitual cá na terra!

Entretanto, soube-se, que as mordomias que se praticam nestas empresas de transportes estão muito para além das dos outros trabalhadores! Sim, esses que mais greves fazem!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


Transportes : a verdade a que temos direito

por Luis Moreira, em 21.02.12
Greve após greve, os transportes prejudicam muitos milhares de pessoas. Que querem agora os sindicatos? Que os inquéritos disciplinares levantados a cerca de duzentos trabalhadores sejam arrumados sem mais. Isto é, os sindicatos querem a partir de agora serem eles a exercer a acção disciplinar na empresa.
Percebe-se bem, porque já não há mais nada para oferecer aos trabalhadores com trabalho e vencimento garantidos.
No outro dia tive uma discussão com uma amigo comunista que me afiançava que os maqunistas da CP ganhavam mil euros e, logo ali, telefonou para um camarada que, "of course", confirmou. Esqueceu-se, claro, dos dezoito subsídios, dez dos quais fixos.
Hoje, o DN titula na primeira página que os trabalhadores das empresas de transportes, as tais que oferecem "serviço público", beneficiam de esquemas de remuneração que os deixam a léguas da esmagadora maioria dos restantes trabalhadores e pensionistas .
As mesmas empresas que acumulam milhões de euros de prejuízo! O buraco que vamos pagar a seguir com Troika ou sem ela, é justamente este "buraco" descomunal, que é "serviço público" e com isso está justificado, pode gastar, fazer greve, andar de carruagens vazias...
A destruição do "serviço público" ( pelos malandros que estão contra os direitos adquiridos) segue dentro de momentos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45


Conheça as 400 000 vagas de emprego na Alemanha

por Luis Moreira, em 14.02.12

Veja quais são os sectores onde existe procura de quadros. Basta dominar o inglês.

Pode encontrar cerca de 400 mil ofertas só no site do instituto de emprego alemão (www.arbeitsagentur.de). A maioria dos anúncios está em alemão, mas há também vagas em inglês. Poderá também encontrar algumas ofertas no site do IEFP.

As campainhas soaram quando foi divulgado na Alemanha um relatório que recomendava que se facilitasse a entrada de imigrantes como uma das dez medidas para resolver o problema da falta de quadros qualificados no país. 0s mercados português e espanhol foram referidos como possíveis fontes de recrutamento."

Pelo menos três hospitais, dois grandes grupos empresariais alemães, duas empresas de transportes e uma empresa a operar no sector da indústria aeronaútica procuram quadros portugueses, frisa o IEFP. Em Novembro haverá nova iniciativa em Faro, dedicada ao sector da restauração e hotelaria.

Só a Bosch está à procura de 200 engenheiros, neste momento, principalmente engenheiros mecânicos. Para concorrer basta aceder ao site do grupo empresarial e responder às ofertas. Outra boa notícia é que basta dominar o inglês para tentar a sua sorte. "Estamos a receber candidaturas de todo o país",

O salário médio são 3 450 euros! Vamos embora juventude! Basta querer, ter força de vontade e disciplina, não percam os melhores anos da vossa vida no desemprego e com pieguices que é o que este país tem para oferecer!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Com a economia a crescer 1% desde 2000 só com profundas reformas é possível revitalisar a economia e sustentar o estado social! Só as empresas de transportes devem 17 mil milhões, para as financiar teremos que retirar dinheiro às PMEs, à industria, agricultura, pescas...

"Quanto à reforma dos transportes e quando questionado sobre se não teme as manifestações dos trabalhadores, o ministro explicou o porquê da reforma. "Temos uma dívida das empresas de transportes de 17 mil milhões de euros, 10% de tudo o que produzimos num ano. Se não atacarmos os problemas estas empresas vão à falência".
Por isso, garante, "não há alternativas a estas reformas. Se não o fizermos estes trabalhadores vão perder os seus postos de trabalho".
Santos Pereira garante que estas reformas têm o acordo de alguns autarcas da Junta Metropolitana de Lisboa e sublinhou que "passam também pela dispensa de trabalhadores, rescisões de mútuo acordo".
Para o ministro a "reestruturação é vital. Se não atacarmos estes problemas vamos asfixiar o crédito do resto das PME".

Temos um modelo de desenvolvimento que nos trouxe a esta situação. Manda o bom senso que nos livremos dele com reformas profundas mas o menos dolorosas possível! Não há outra saída!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

É preciso encontrar uma saída! Nenhum país aguenta uma situação deficitária que não cessa de crescer. A solução não são greves nem manter como está o sistema de serviço público. Só há transportes a prazo se conseguirmos transformar uma conta de exploração monstruosamente negativa num conta de exploração positiva. Temos que tomar medidas, e uma dela, a essencial, é reduzir a oferta, optimizando os meios.

Que solução apresentam os sindicatos? Ficar tudo como está, não  mexer no que eles chamam "serviço público"? Mas um serviço público tem que ser deficitário? Pago pelos contribuintes das Beiras e do Alentejo quando os transportes públicos são prestados em Lisboa e no Porto? Temos que pagar a gestão ruinosa de "boys" e "girls" e o "conforto" de quem recebe o vencimento a horas ? E o "serviço público" da Saúde também tem que ser deficitário? E o da água?

Se é assim como é que contemos os déficites nacionais, como é que fazemos poupança e investimos para o desenvolvimento da economia?

É difícil ver que este caminho não tem saída? O caminho do "serviço público" deficitário não é solução? O "serviço Público" pode e deve ser prestado mas tem que ser razoável e sustentável! A não ser assim não saímos da situação em que nos encontramos! E, mais, para quem ainda não percebeu, este "serviço público" dos déficites e das greves vai ter, como já largamente tem, a população contra e é o melhor caminho para acabar de vez com "serviços públicos"!

Que não se abra caminho a privatizações não absolutamente necessárias, por razões de falta de eficácia, de sustentabilidade e de credibilidade!

O que é preciso acontecer para se perceber que é o somatório de todos os déficites dos diversos "serviços públicos" que nos colocou nesta situação?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Os utentes das empresas de transportes manifestaram hoje descontentamento perante mais um dia de greve, apesar dos níveis de adesão à paralisação serem inferiores aos de outras ocasiões.

Nuno Araújo, que mora em Algés e pretendia chegar ao Marquês de Pombal, em Lisboa, revelou ter sentido algumas dificuldades para apanhar o comboio.

"Para me dirigir de Cascais para Lisboa tive algumas dificuldades no comboio e agora chegando ao Cais do Sodré penso que também não tenho autocarros", referiu.

O mesmo utente considerou "um abuso por parte das empresas públicas de transportes" o número de greves realizadas nos últimos meses e mostrou-se favorável a uma privatização do setor.

Proveniente de Oeiras e com o objetivo de chegar à Estefânia, em Lisboa, Maria do Céu Vasconcelos defendeu ter sido afetada pelo encerramento do Metro já que não teve qualquer dificuldade em apanhar o comboio.

"Eles podem ter muita razão mas quem sofre é sempre o trabalhador e quem precisa de chegar ao trabalho e chega tarde", assinalou Maria do Céu Vasconcelos, quando questionada sobre se entende os motivos da greve.

Outra utente, Isilda Jerónimo manifestou-se tranquila apesar do Metro estar encerrado: "Não tenho Metro, mas vou de autocarro e consigo resolver a situação perfeitamente e chegar a casa dentro da normalidade".

Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/utentes-descontentes-com-mais-um-dia-de-greve=f702577#ixzz1lFda9Ifk
PS: Perante a cada vez mais baixa adesão à greve e ao maior descontentamento dos utentes (um abuso), considero que um referendo sobre a privatização do sector, ou parte do sector, seria uma prática democrática muito meritória. Uma coisa é certa, é insustentável manter todo um sector a gerar déficites ano após ano sem que se tomem medidas para racionalizar . Tenho mesmo muitas dúvidas que os Sindicatos possam impedir a implementação de medidas de gestão que competem, exclusivamente, ao accionista (governo). Que se saiba o país não está a ser co-governado por sindicatos e governo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:00


Uma seca do caraças!

por Luis Moreira, em 01.02.12

A Ministra da Justiça atira-se ao anterior ministro insinuando que há "mosquitos por cordas" na gestão do património. Um "Campus" no Parque das Nações que custa uns milhares largos por mês enquanto o Estado tem milhares de prédios sem ocupação. Volta à Boa Hora!

A seca no território ameaça a agricultura se não chover agora até ao fim de Fevereiro. A humidade nocturna tem sido suficiente para aguentar as culturas mas com o frio que aí vem já na próxima 6ª feira, espreitam prejuízos de monta.

As greves nos transportes estão para ficar, têm no horizonte a privatização de muitas empresas públicas . A Soflusa vai extinguir 48 travessias no Tejo para poupar. Sindicatos contra!

O Mário "alucinado" da FRENPROF, após ter sido preterido como secretário-geral da CGTP (cada vez mais PCP) comunica o que todos já sabíamos. Está contra a reforma curricular do Nuno Crato. ( uma seca, pois se ele nunca esteve a favor de nada a não ser que se faça o que ele quer...)

Dizem os meterologistas que o país está "em seca suave"...

Para acabar (mal) o desemprego já vai nos 13,25 com 40% de jovens ! Uma seca do caraças!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


Transportes - aumentar os preços é fácil

por Luis Moreira, em 01.02.12

Mais um aumento de preço, o terceiro em menos de um ano, a factura a pesar cada vez mais em quem precisa de andar no transporte público. Difícil e meritório seria racionalizar a oferta, cortar no desperdício, adequar ritmos e frequências às reais necessidades dos utentes.

Complementar as várias ofertas por forma a optimizar o serviço, o que exige um esforço de coordenação que nunca foi feito. As célebres Comissões de Coordenação dos transportes de Lisboa e Porto são célebres por isso mesmo, nunca existiram, nunca saíram do papel.

Aqui na minha rua sou um "nababo". Estou a cinquenta metros do Metro e da paragem da Carris. Quando está sol e não tenho pressa vou de autocarro, tenho tempo para ver as "miúdas" que passam na rua, se tenho pressa vou de Metro. Sempre em carruagens com 30% da lotação tal como no "bus", 30% não mais. Haverá uma ou outra hora de ponta em que a lotação anda esgotada mas durante o dia não ultrapassa os 30%. 

A percorrerem os mesmos caminhos. Coordenar seria o Metro largar-me em determinada estação e, aí, apanhar o autocarro  para o resto da viagem. Mas não, posso fazer o mesmo trajecto por cima ou por baixo da terra. Com lugares à "fartazana"!

Os utentes que não têm alternativa e que andam como "sardinha em lata", pagam!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Em reunião de vários sindicatos decidiram avançar para mais uma greve porque não estão de acordo com a reestruturação do sector ( o tal que tem uma dívida colossal e que todos vamos pagar). Dizem eles que a reestruturação é contra os trabalhadores, mas os passageiros e os contribuintes podem dizer que é a seu favor e, por enquanto, quem paga é que manda.

Entretanto querem uma reunião com o Álvaro, ministro, para ultrapassarem as administrações e as colocarem em posição defensiva.

"Os sindicatos contestam a reestruturação definida pelo Governo para o sector, a redução dos serviços e do número de trabalhadores." Esperemos que passem a pagar os vencimentos, já que são os sindicatos que mandam na gestão das empresas e mesmo nas políticas do governo para o sector, é só o que falta e seria justo. Os quadros da STCP é que já avançaram , corajosamente, para a privatização da empresa, preparando um MBO (management by Out). Querem comprar a empresa, administrá-la e pagar os vencimentos. Está aberto o caminho para racionalizar o sector. Estão a ver senhores sindicalistas isto de produzir, facturar e pagar a fornecedores e a trabalhadores é que é meritório.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:00


Um MBO na STCP ? Os quadros compram a empresa

por Luis Moreira, em 03.01.12

Aí está um bom exemplo. Os quadros da STCP, em caso de privatização da empresa querem-na comprar. É assim, fazer acontecer as coisas em vez de estar à espera que os outros paguem!Não querem ser funcionários querem ser empresários! Há esperança!

"Os quadros da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP) apresentaram ao conselho de administração da transportadora uma proposta para adquirir a empresa, caso o Estado opte pela privatização. Os trabalhadores aguardam agora uma reunião com a tutela dos transportes. "

Os trabalhadores tomam conta da empresa e ficamos com a empresa entregue a gente que trabalha para si mesma, mexe as mãos, deixa-se de greves e de exigências impossíveis de satisfazer.

Querem melhor exemplo de gente capaz e responsável? O estado não é bem substituído por quem trabalha no que é seu e que sabe que colhe os frutos do seu labor? Oxalá se repita muitas vezes!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43


Da Beira Interior a Lisboa

por n, em 06.12.11

Praticamente dez anos após ter começado a usufruir da ligação Expresso entre a Beira Interior e a capital de Portugal continuo sem entender a sua operacionalidade e os motivos para a subsistência do seu grande problema.
Se a qualidade dos veículos é de assinalar – apesar de alguns autocarros sem condições, sobretudo entre 2002 e 2004 –, os quais são confortáveis e bem equipados, o serviço no que diz respeito à marcação dos lugares nos bilhetes é o buraco negro desta história.
Por vezes o sistema informático (?) funciona de forma estranha. Não é difícil, por exemplo, iniciar a viagem na Guarda (ou em outra das terras a seguir expostas), com um bilhete sem lugar marcado, e, na Covilhã, Fundão, Castelo Branco, os passageiros possuírem nos seus bilhetes os lugares marcados.
Acresce a isso a personalidade/vontade das gentes da Beira Interior em cumprirem a sua viagem no lugar indicado. Ora se a viagem é iniciada sem lugar marcado, no limite, essa pessoa pode andar a saltar de cadeira em cada paragem do percurso. Se a quem possui bilhete com número marcado lhe cabe o direito de percorrer a viagem até Lisboa no lugar indicado, também não deixa de ser verdade que um pouco de compreensão também lhe assiste pela situação em que o outro passageiro se encontra.
Perder a Baiana e chegar quase a vias de facto, depois de uma intensa troca de palavras menos agradáveis, por causa de um lugar não é de forma alguma a forma de viver em sociedade.
Com os serviços da linha férrea a diminuírem a sua qualidade para esta zona do país, com a introdução de portagens na SCUT que serve as cidades acima citadas é tempo de uniformizar o tratamento dos diferentes passageiros de uma vez por todas.

 

P.S. Aproveitando o balanço: para quando um Centro Coordenador de Transportes (CTT) em condições em Castelo Branco. Ou então, em alternativa, já que estamos em época de contenção de custos, umas valentes obras nas casas de banho no actual CTT de Castelo Branco

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:09

Em Londres é à vez, num dia entram os carros com matrícula par, no outro os de matricula ímpar. E, os cidadãos acham bem, de outra forma é impossível viver na cidade. Na última vez que lá estive para entrar na cidade, avisa o condutor, estávamos  mais ou menos a 30 Kms. Mas andou bem e rapidamente estávamos no meio da cidade. Lá entram e saem um milhão de pessoas por dia, aqui  em Lisboa 400 000 pessoas e 200 000 carros.

Com esta alteração, dia sim dia não, alivia-se a entrada em 50% dos carros privados ( a mais das vezes com uma só pessoa) por dia. Convenhamos que é uma medida de grande impacto. Mas, claro, aumentam os passageiros nos transportes públicos em cerca de 200 000 pessoas. Como responder a esta procura? Há "almofadas" nos comboios, no metro e nos autocarros? Também ganham as empresas de transporte, transportando mais gente a pagar e ganha o ambiente. Ganham todos! Até a bolsa das pessoas que passam a gastar menos dinheiro em transportes.

E, o chamado transporte "partilhado" com os vizinhos e amigos a acertarem transportarem-se no mesmo carro?

A super ministra Assunção Cristas anda a pensar nisto! Que não lhe falte a vontade, a coragem e a paciência para os "não" do costume!

Disse também que quanto à energia, em tempo de "vacas magras", mais importante que fazer barragens e dar subsídios a "energias alternativas" é apoiar a manutenção da rede e evitar o desperdício! Quem está contra?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20


Trabalhadores que vão furar a greve

por Luis Moreira, em 24.11.11

Encontra aqui várias explicações!Umas filosóficas ( o país está mal a greve só prejudica a economia) outras mais pragmáticas (faz-me falta o salário do dia)...

Mas a menos subtil e solidária é esta, mas também a que toca no ponto G ( de Greve):

"Não vou fazer greve porque graças a Deus não sou das pessoas que vai ser mais afectada com os cortes salariais. Trabalho numa empresa privada e sou das que sofro menos. A mim a greve geral não me vai afectar muito porque vou de carro para o trabalho; para as pessoas que vão de transportes públicos é muito pior".

É dura e fria como o aço ! Nesta sociedade tão imperfeita os mais pobres são os que sofrem mais. Até com as greves!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30


Incitar o uso da bicicleta...

por Luis Moreira, em 19.11.11

As empresas públicas, principalmente no sector dos transportes estão numa situação insustentável. A banca estrangeira fechou a torneira, o acordo com a "Troika" não contempla os milhões da dívida destas empresas e os bancos nacionais não têm dinheiro. Ora, se o pouco dinheiro que há aterra nas empresas públicas então é que não há mesmo dinheiro para a economia privada.

As empresas públicas dos transportes estão falidas, vivem à semana, vamos lá ver se há dinheiro para os salários. Cada um de nós ( os 10 milhões de portugueses) já deve 200 euros só para pagar os 20 mil milhões da dívida destas empresas. Então como saímos desta?

Segundo os sindicatos fazendo greve, opondo-se a toda e qualquer medida saneadora, tudo é contra os trabalhadores e os utentes, está assim, morre assim!

Esta história de que um governo ofereceu entre 10 e 20% do capital da TAP aos pilotos mostra bem como se governa. Não chateies, dá-lhes tudo o que eles quiserem e quem chegar em último que feche a porta.

A ideia, é óbvio, é dificultar o mais possível a privatização destas empresas, concedendo aos trabalhadores um conjunto de condições que as empresas não suportam e que afastam todo e qualquer candidato privado. Mas, com isto (não privatizar) eu ainda aguentava, agora ter que andar a pagar os três mil e trezentos e tal euros/mês dos motoristas do Metro...

Greve após greve até à falência final!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


O Metro do Porto não faz greve.

por Luis Moreira, em 08.11.11

De um artigo no Público assinado por um conjunto de quadros da empresa. Não fazem greve e dizem porquê:

1º . O Metro do Porto transporta diariamente cerca de 200 000 pessoas. Evitou 25 milhões de deslocações em carro próprio e preveniu 343 mil toneladas de emissões poluentes nos 9 anos que leva de exploração.

2º - O sistema do Metro do Porto representa um retorno ambiental, económico e social superior a 8 mil milhões de euros ( quase 5% do PIB)

3º - Do Metro do Porto depende a mobilidade de 20% da população servida pelas suas linhas.

4º - a operação do Metro do Porto rege-se por uma concessão a uma entidade privada, escolhida depois de concurso público. É este o modelo que o Estado quer alargar às empresas públicas de transportes procurando torná-las viáveis. O Metro do Porto tem o custo por passageiro/Km mais baixo de todo o país.

5º - É certo que há uma dívida correspondente às infraestruturas construídas o que inviabiliza a sua rentabilidade. Mas esta dívida é paga por todos como todos pagamos a construção de um hospital ou de uma escola. O que se exige é a sua viabilidade operacional de exploração.

6º - O Metro do Porto tem capitais exclusivamente públicos mas sempre foi governado por um modelo de gestão igual ao do melhor do sector privado.Não há nem nunca houve, acordos de empresa ou contratos colectivos. Nunca se pagou uma hora extraordinária(apesar das noites, dos feriados e fins de semana a trabalhar). Nunca houve progressões automáticas na carreira ou prémios por antiguidade. Não houve regalias como 25 dias de férias ou tolerâncias de ponto universais. Não há nem houve sindicatos ou comissões de trabalhadores. Nunca houve greves.Não houve aumentos salariais equivalentes aos da função pública, apenas cortes salariais aos da função pública.

7º No Metro do Porto acreditamos na competência, no mérito e no trabalho.

8º Também temos direitos e sabemos exercê-los. O direito à greve é um deles. Mas tanto quanto direitos, temos obrigações, deveres, lucidez e bom senso.

E é por isso que não fazemos greve!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:00


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING DE QUALIDADE...

  • Anónimo

    Olá pessoal, Você precisa de serviços de hackers? ...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Anónimo

    Muitas pessoas disseram que os hackers invadiram d...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    QUERO HACKEAR UM BLOG!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Anónimo

    oi me explica mais siobre isso


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog