Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Hoje andei perto de vós, nas deambulações partidárias, mas não pude ficar, por razões verdadeiramente inadiáveis. Espero e desejo estar na próxima Tertúlia, enquanto agradeço aos organizadores que se tenham disponibilizado a emprestar-me a sua voz.

A vossa iniciativa fazia falta. Em Portugal discute-se pouco a política e as políticas. Há mesmo resquícios de uma cultura bafienta segundo a qual a discussão gera a divisão e não as melhores soluções. Tenho, por princípio a visão oposta e, na actual conjuntura, creio que é mais necessário que nunca tê-la.

Desde o fim do PREC houve um grande desígnio nacional que uniu a larga maioria dos portugueses, no sentido de aproximar-nos da Europa e de fazer da convergência europeia o nosso caminho. Os resultados até hoje foram largamente positivos, mas chegámos ao ponto do caminho em que os espinhos são mais visíveis do que as rosas. E devemos perguntar-nos como queremos estar na Europa, que queremos para ela e que queremos para Portugal nela.

Pessoalmente, a minha utopia europeia é federalista. Gostava de poder votar algures contra Merkozy, mas não posso. Sei também que, com Merkozy, Portugal terá pouca margem para seguir um rumo muito diferente do actual. Mas tem alguma.

A federação europeia em que eu gostaria de viver seria radicalmente democrática, não parando a democracia à porta do mundo do trabalho e não a remetendo para os lugares institucionais dos órgãos de soberania. Mas o mundo também não caminha nesse sentido. Pode parecer-vos um raciocínio muito de “velha social-democracia europeia”, mas continuo a acreditar que a força dos sindicatos é a melhor garantia de avanço da igualdade em sociedades que mantêm a economia capitalista como modo primeiro de produção e distribuição de recursos. Infelizmente não há muitas razões para estar optimista quanto ao que vai acontecer entre nós ao mundo sindical nos próximos anos.

Portugal deve preocupar-nos. Porque os portugueses parecem resignados com a terapia de choque liberal que embrulha em recuos sociais e em recuos nos serviços públicos uma soução austerativista para a crise. Na terapia que estamos a seguir quase tudo está errado. É certo que acabará, a médio prazo, por ter resultados. Mas fá-lo-á à custa de muito sofrimento social desnecessário.

Essa resignação e esse sofrimento social têm que ser contrariados pela acção dos movimentos cívicos. Claro que os partidos têm um papel insubstituível, mas não é único. Teremos que mobilizar forças para dizer que há outras soluções para a crise mundial e para a sua variante portuguesa. Teremos que criar uma rede de pensamento crítico. Teremos que prosseguir e aprofundar o debate.

Para o fazer é necessário criar uma corrente de debate. É o que aqui estais a fazer. É aquilo que me proponho fazer convosco se assim quiserem. Neste momento pouco importa saber quanto concordaremos nas propostas alternativas. Basta que tenhamos em cmum o sentimento que elas são necessárias.

Melhor democracia será obra de mais cidadania e mais cidadania será resultado de falar mais e ouvir melhor. Eu estou à escuta. A escutar-vos como cidadão interessado na defesa radical da democracia em todas as esferas da vida e com vontade de ser uma voz a falar convosco nos debates que agora iniciais.

Boa tertúlia e força, que o futuro não está pré-determinado nem tem proprietário.

Paulo Pedroso

Outras Intervenções já publicadas: Abertura I, Abertura IIEstrela SerranoHeloísa ApolóniaJosé Reis Santos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:01


Os acórdãos-filhos-da-mãe e os acórdãos-filhos-da-puta

por Rogério Costa Pereira, em 05.09.10

O nome de Paulo Pedroso foi ontem várias vezes referenciado, a propósito dum assunto com o qual já nada tem a ver. Podia ser o meu ou o teu nome, mas é "apenas" o nome de um homem que não foi pronunciado (levado a julgamento) pela Relação. Um parêntesis para explicar que, em regra, em sede de instrução, em caso de dúvida (sobre a culpabilidade) o arguido é conduzido a julgamento; apenas quando não restam dúvidas sobre a inocência do arguido ou quando se prevê (numa espécie de juízo de prognóse póstuma) que em sede de julgamento o arguido será absolvido se decide pela não pronúncia deste (por não o levar a julgamento).

Em suma: um arguido não pronunciado significa que sobre ele não há réstia de dúvida sobre a sua não culpabilidade, já um arguido absolvido (em sede de julgamento) pode significar que há dúvidas suficientes para o "inocentar" (in dubio pro reo).

Paulo Pedroso não foi pronunciado, o que significa, grosso modo, que é "mais inocente", passe a expressão, do que qualquer absolvido em sede de julgamento (que pode não ter sido condenado porque sobre a respectiva culpabilidade houve dúvidas). Sobre Paulo Pedroso não restaram dúvidas, um Acórdão já transitado em julgado, ao contrário deste, assim o disse.

Tudo isto a propósito de 5 minutos de palavras, ontem vociferadas na SICN entre a dupla Felícia Cabrita e Pedro Namora, nos quais foi referido (de forma que me dispenso de qualificar) o nome de Paulo Pedroso.

Metam isto nas vossas cabeças: Paulo Pedroso foi inocentado (da forma atrás descrita) pela mesma justiça que ontem condenou Carlos Silvino (com a “ténue” diferença que sobre aquela decisão já não há recurso possível).

Deixem o homem em paz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:10


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Olá pessoal, Você precisa de serviços de hackers? ...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Anónimo

    Muitas pessoas disseram que os hackers invadiram d...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    QUERO HACKEAR UM BLOG!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Anónimo

    oi me explica mais siobre isso

  • Anónimo

    Necesita un préstamo urgente para revivir sus acti...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog