Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Este discurso é um exemplo da falta de capacidade de decisão, da forma atabalhoada como os políticos olham para os problemas reais, como embrulham tudo por forma a não dizerem nada.

"O autarca voltou hoje a opor-se ao encerramento daquela unidade hospitalar de Lisboa antes de Julho, enquanto não houver nenhuma decisão quanto à construção do Hospital de Todos os Santos". Reparem que não é existir o Hospital é "enquanto não houver decisão", forma de pressionar o governo para tomar a decisão quanto à construção do novo hospital ( que eu aplaudo com ambas as mãos).

"Seria um erro gravíssimo desperdiçar este capital que temos: o saber, a capacidade técnica e os recursos existentes", disse o presidente da câmara.  António Costa defende a integração da MAC no novo Hospital de Todos os Santos, cuja construção na zona oriental da cidade está ainda a ser equacionada pelo Governo" . Como se "o saber, a capacidade técnica e os recursos existentes" não possam ser transferidos já para um hospital multivalente, mais moderno e eficaz  existente.
"Não faz sentido antecipar a decisão da MAC, sem decidir Todos os Santos. É preciso decidir de forma racional e depois preparar suavemente a transição a 4/5 anos", disse aos jornalistas." Ora 4/5 anos é o tempo necessário para construir o novo hospital e não se pode "transferir suavemente" nada para um hospital que está em construção. Logo a passagem "suave" seria feita para um ou dois dos hospitais já construídos.( o contrário do que disse acima)
Não faças nem deixes fazer, estamos perto de eleições há que agradar a todos nem que para isso se faça  contorcionismo. Não interessa que as parturientes e as crianças corram riscos mais elevados que os necessários (numa maternidade univalente) nem interessa que a capacidade de partos instalada se mantenha subutilizada e que nos custe milhões todos os anos. Um mimo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20

MAC :Tanto o S. Francisco Xavier como o Hospital de Santa Maria alegam ter capacidade para realizar os partos actualmente feitos na Maternidade Alfredo da Costa. E todos concordam que, do ponto da vista da segurança clínica da mãe e do bebé, é aconselhável as maternidades estarem integradas em hospitais gerais, o que não acontece com a MAC.

Não se compreende que face à unanimidade de opiniões o governo não avance com a medida de encerramento da MAC.

O Governo ainda não decidiu se avança ou não com a construção de um novo hospital e, para Fernando Cirurgião, director do serviço de obstetrícia do Hospital S. Francisco Xavier, é preciso agir e acabar com o impasse, desde logo porque a capacidade instalada é superior às necessidades da população, porque é preciso eliminar desperdícios, mas também - questão mais imediata - porque não há médicos suficientes para assegurar as urgências.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00


O BE já aceita o encerramento da MAC

por Luis Moreira, em 29.04.12

A mulher de Louçã é médica na MAC (Maternidade Alfredo da Costa) e isso ajudou a que o BE percebesse que estava a jogar uma carta furada. Agora já aceita que a MAC encerre desde que o Hospital de Todos-os-Santos esteja construído. Fecham-se os seis hospitais centrais de Lisboa com enormes vantagens financeiras e de qualidade para o doente.

Aquelas manifestações do "abraço humano" ao edifício não passaram do habitual "não" a tudo o que mexe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00


No SNS ninguém faz contas

por Luis Moreira, em 20.04.12

Na Comissão de Saúde na Assembleia da República discutiu-se a construção do Hospital de Todos-os-Santos. Em junho saberemos se sim ou não se vai construir. A construir-se muda tudo, evidentemente, mas acham vocês que isto travou obras de ampliação e requalificação? Diz o Presidente da ARSLVT :

Que é natural que as equipas da Maternidade Alfredo da Costa serão repartidas pelos hospitais de Santa Maria, S. Francisco Xavier e Garcia de Orta. Isto porque com a abertura do hospital de Loures, Santa Maria corre o risco de perder a maternidade. São Francisco Xavier fez um investimento de 48 milhões de euros na criação de um serviço materno-infantil e está com uma ocupação de 50% ; e o Garcia de Orta está a contratar serviços externos de obstetrícia.

Entretanto gasta-se um milhão para arranjar um edificio já sem condições (MAC). Perceberam o planeamento  e o rigor ? O desperdício é aos milhões !

Não planear e organizar,  serve a todos menos a quem paga a factura!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


O que se discute na MAC é quando encerra

por Luis Moreira, em 14.04.12

O que se discute não é já o encerramento da MAC é quando encerra. Todas as entidades ligadas à saude estão de acordo com o encerramento dos cinco hospitais Centrais de Lisboa, incluindo a MAC e serem substituídos pelo novo Hospital de Todos-os-Santos. ganha-se em qualidade, segurança e poupam-se muitos milhões.

É preciso não esquecer que os velhos hospitais há muito que estão ultrapassados. No século anterior a filosofia era que as maternidades constituíam uma instituição monovalente, o que está completamente ultrapassado. Também em Coimbra as duas maternidades vão ser incluídas nos HUC.

"..Além disso, acrescentou, “há a indefinição em relação ao novo hospital de Todos os Santos”, que o PS considera “fundamental para a reorganização dos serviços de saúde na área de Lisboa”.
António Serrano explicou que foi decidido em 2005 que após a construção do novo hospital de Lisboa, o Todos os Santos, “poderiam então ser encerradas seis unidades hospitalares em Lisboa e, nessa altura, também fechada a Maternidade Alfredo da Costa, porque permitia que para esse hospital fossem transferidas todas as equipas qualificadas”.
“O Partido Socialista concorda com uma transferência dos serviços da Maternidade Alfredo da Costa, mas é para um novo hospital. Em Lisboa não há nenhuma unidade hospitalar [neste momento] que possa albergar aqueles serviços. Se for feito como se fala, isso significa e implica um desmantelamento das equipas” da maternidade, acrescentou.
Assim, com estas audições, o PS quer também saber se o Governo “quer ou não quer avançar com o novo hospital, se quer ou não quer encerrar as várias unidades”, quando e em que circunstâncias.

Como se vê o que se discute é quando e em que circunstâncias a MAC vai encerrar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:44

..."Assim, 70% dos partos correspondentes a pessoas que indicaram viver no concelho de Loures ocorreram na Maternidade Alfredo da Costa, 19% no Hospital de Santa Maria, 5,4% no Hospital de São José, 2,1% no Hospital S. Francisco Xavier e 2,4% em outros 9 hospitais diversos.

Olhando apenas para os 4 hospitais mais relevantes, o quadro tem a informação sobre o número absoluto de partos nesse hospital (qualquer que seja a origem geográfica), o número de partos no hospital que tem como origem  geográfica o hospital de Loures e a diferença, que será uma previsão (tosca) do número de partos caso todos os partos com origem no concelho de Loures se desloquem para o novo hospital. O número para o total de partos na Maternidade Alfredo da Costa não é exactamente o mesmo referido em notícias na imprensa, tendo como fonte uma médica da Maternidade, mas é suficientemente próximo para se estar dentro das magnitudes relevantes.


  Total de partos vindos do concelho de Loures Total de partos no hospital Total de partos s/ Loures
Hospital de São José 168 2008 1840
Maternidade Dr. Alfredo da Costa 2172 5304 3132
Hospital de São Francisco Xavier 65 2861 2796
Hospita de Santa Maria 592 2622 2030


(nota: números referentes a 2010)

Sobre estes números,  o Hospital de Santa Maria parece sofrer pouco, já a MAC é quem perde mais, e podia absorver todos os partos que restam no Hospital de  Santa maria, ou os do Hospital S. José.

A questão é saber se é melhor deslocar os cerca  de 3132 partos que se podem prever para a Maternidade Alfredo da Costa nos outros hospitais, nomeadamente H. Santa Maria e H. São José ou fechar a maternidade numa destas unidades e passar todos os partos referentes a ela para a Maternidade Alfredo da Costa.

O principal contra desta solução é como ambos o H de S. José e o H. de Santa Maria têm ensino universitário de Medicina, não faz muito sentido encerrar as maternidades dessas unidades.

Assim, a alternativa mais lógica fica a ser fechar a maternidade do H. S. Francisco Xavier, direccionando a respectiva actividade de partos para o H. de S. José e para a Maternidade Alfredo da Costa, mas isso fará pouco sentido também dada a população servida pelo H. S. Francisco Xavier...."

PS: com os devidos agradecimento ao "estado vigil" e ao Prof  Pedro Pitta Barros

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:45

A maternidade Alfredo da Costa vai fechar. Deve fechar! Por todas as razões. Racionalizar e aproximar  os serviços das pessoas, não devem ser as emoções a prevalecer.

A racionalização da rede de cuidados de saúde é um dos elementos fundamentais para o sucesso de uma política de Saúde que melhore a qualidade e quantidade dos serviços prestados. É preciso conciliar a necessidade de estar perto da pessoas com a impossibilidade de ter um hospital em cada localidade. É preciso que quem presta serviços de saúde siga as pessoas, e não fique nas estruturas apenas porque elas existem e com elas foram criadas ligações afectivas. É ainda preciso que os serviços de saúde se adaptem às abordagem mais modernas que minimizam o risco de vida humana.
Quando se faz passar a Maternidade Alfredo da Costa por todos esses critérios a conclusão é apenas uma: deve encerrar. Já esteve, mas hoje não está, perto de quem tem filhos. A mãe, de preferência, deve ter os filhos num hospital, onde estão cobertos todos os riscos que um parto pode ter, e não, como se defendia no passado, numa maternidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

A carta hospitalar de Lisboa é constituída por vários hospitais centenários instalados no Centro de Lisboa sem condições para fornecer um serviço digno e cuja manutenção custa muitos milhões todos os anos. Em contrapartida foram-se construindo vários hospitais modernos na periferia da cidade. S. Francisco Xavier, Garcia da Horta, Amadora-Sintra, Loures, Cascais...

Disto resultou um desequilíbrio de oferta excessivamento dispendioso que é necessário repor. Insere-se nesta equação o fecho de vários hospitais centrais e a

integração dos serviços da Maternidade Alfredo da Costa e, possivelmente, D. Estefânia e Curry Cabral no Hospital Santa Maria ou no novo hospital de Todos-os-Santos..

Basicamente trata-se de trocar hospitais velhos e ineficazes por um hospital novo e integrar serviços monovalentes em hospitais multivalentes. Com estas medidas poupam-se muito milhões de euros e melhora-se a qualidade dos serviços prestados.

O mesmo se diga para Coimbra onde se prepara o fecho de velhos hospitais e cujos serviços serão integrados nos novos hospitais.

Trata-se de reformar tendo como objectivo melhorar a qualidade dos serviços e poupar nas ineficiências. No Serviço Nacional de Saúde, volto sempre a Correia de Campos, que teve razão antes do tempo. Iniciou um movimento reformista que vai ter continuação e que, pese a contestação de quem diz "não" a tudo, será concretizado.

Só assim se defende o Serviço Nacional de Saúde.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:00


A morte anunciada da MAC vem desde 2005

por Luis Moreira, em 12.04.12

Vem desde 2005 a morte anunciada da Maternidade Alfredo da Costa. A construção de novos hospitais nas cercanias de Lisboa e a existência de outros hospitais com mais  valências e, por isso, com mais capacidade de intervenção em casos mais abrangentes, apontam sem qualquer dúvida para o fecho da maternidade. Para o fecho do edifício, note-se, não para o esfrangalhar das suas equipas que deverão ser distribuídas, intactas, pelos outros hospitais que vão receber mais partos.

A demografia, com o decréscimo pronunciado de nascimento de crianças e com o aumento do parque instalado, levou à situação de haver menos 8 000 partos/ano necessários para ocuparem toda a oferta hospitalar só na região de Lisboa. É um desperdício tremendo a que se juntam muitos outros que devem igualmente ser racionalizados. Só 47% da capacidade dos blocos operatórios instalados no país é utilizada. Alguém em seu juízo acha que é possível manter este nível de desperdício? Nos medicamentos, os genéricos nos países que nos emprestam dinheiro representam 60% dos consumos. Em Portugal menos de metade o que representa milhões de euros que o estado paga a mais à indústria farmacêutica!  Atacar o desperdício é a única forma de defender o Serviço Nacional de Saúde! 

Correia de Campos (socialista, ex- ministro da saúde de Sócrates) tentou defender o Serviço Nacional de Saúde há cinco anos atrás, cheio de razão, avançou com medidas de racionalização imperativas face à situação. Como se vê agora tinha a razão toda do seu lado mas os imobilistas levaram a sua avante!Não se diga pois que se trata de uma ofensiva da direita.

Paulo Macedo, lembrando o início do primeiro Governo de José Sócrates (PS), quando terá sido reconhecido que "tecnicamente uma maternidade monovalente não faz sentido".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Aboubacar Aboubacar Sacko

    Se você precisar dos serviços de um hacker ético c...

  • Anónimo

    OLÁ!!! Você é um homem ou uma mulher? Você precisa...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Anónimo

    Ile é conectado como o controle de acesso à Intern...

  • Anónimo

    Eles são conhecidos como os onipotentes gurus da I...

  • Anónimo

    Se você precisa de um serviço de hackers genuíno e...

  • Anónimo

    Olá pessoal, você precisa de serviços de hackers?E...

  • Төлөгөн Аимэшхан

    Você precisa de algum serviço de hackers? Você est...

  • Anónimo

    Muitos QUEREM SER HACKERS ON-LINE Cuidado com os a...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  



subscrever feeds