Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais ultraje

por Licínio Nunes, em 21.11.12
A União Soviética é o único país no Mundo..., em que o passado é imprevisível.

— Anedota soviética, dos tempos da Perestroika

Se eu tivesse um pingo de juízo, não em envolvia em mais uma polémica a respeito das terras do Levante. Mas como continuo a ter tão pouco como aquando das anteriores, aqui vai! Comecemos pelas imagens.

Algum tempo atrás, lancei uma provocação a um amigo de muitas décadas, historiador e fotógrafo, com trabalho de investigação publicado a respeito da fotografia como documento histórico. Disse-lhe: "Toda a imagem digital é arte abstracta". Não vou reproduzir aqui a amena e interessante cavaqueira, a que outros participantes adicionaram desde o estruturalismo a uma larga panóplia de muitas correntes do pensamento humano durante o último século. Vou repetir a minha afirmação original, mas agora em termos mais claros e assertivos:

Toda a fotografia digital é arte abstracta, e esta arte liberta-nos da tirania das ilusões naturalistas que foram construídas desde Niepce atá à última década do século XX; liberta-nos da tirania da fotografia como deus ex machina, um deus que fala por intermédio duma máquina, e devolve-nos ao mais humano da nossa natureza e da nossa memória, edificada a partir do testemunho de outros seres humanos. A fotografia digital é apenas, e em toda a maravilha das narrativas humanas, o testemunho do seu autor. Assim se fez a Ilíada, assim foram escritas as Crónicas de Gilgamesh. Viva a fotografia digital, incluindo — mas obviamente, não limitado a — manipulação de fotografias digitais!


Agradeço encarecidamente os comentários ao meu post anterior, em particular, o link para o que será, eventualmente, a origem de pelo menos parte da imagem que eu publiquei. Aqui fica, com link directo para a fonte, e aqui fica o título que o narrador lhe deu: "Victims of drone", "Vítimas de drone".



Mas vejamos então aquele epítome do Inferno chamado Gaza, e vejamos a imagem original, tal como narrada pela OCHA (United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs). O original está aqui, o que segue são alguns recortes. Alguns recortes do Inferno.



Caro leitor, o que chamaria a um pedaço de terra do qual apenas uma ínfima minoria dos seus habitantes consegue sair? Prisão, provavelmente. Eu também, por isso, eis a primeira legenda nesta narrativa: Prisão.



Mas, no fim de contas, a Faixa de Gaza fica nas costas do Mediterrâneo, certo? E as populações costeiras sempre encontraram no mar uma fonte importante de receitas e de comida. Ou não? Eis a segunda legenda: Bloqueio.



E se não tivéssemos como tratar os resíduos que as nossas sociedades produzem? Como o descreveríamos numa única palavra? Escolhi um termo bíblico: Peste.



Há quantos milhares de anos é que a Humanidade se alimenta da agricultura? Muitos, mas..., que nome daríamos a um conjunto de circunstâncias que impede as populações locais de usarem até o pouco terreno agrícola disponível? Escolhi o mais directo: Fome.



Mas alguma coisa aquela gente há-de produzir. E o que eles produzem, outros hão-de necessitar e hão-de querer comprar. Se os deixarem, claro. Que nome daremos a essa negação? Esta é uma escolha asseguradamente consensual: Roubo.



Nunca houve nenhuma prisão perfeita. Muitos tiranos tentaram e todos falharam. Mas o que é que os habitantes duma prisão procuram? Aquilo que não têm, claro. E o que será que os habitantes dessa prisão mais desejam? Manteiga ou canhões? Tão humano como caminhar em posição erecta, é o desejo de responder à violência com violência. Eis a legenda: Armamento.

E eis o mapa do Inferno, acompanhado das legendas que o descrevem: Prisão, Bloqueio, Peste, Fome, Roubo e Armamento.



Provavelmente poderíamos resumir tudo numa única palavra, e essa seria desespero. Não é, nem nunca foi uma imagem agradável. Mas regressemos rigorosamente ao início e àquela anedota inicial. Retratava a confusão que muitos soviéticos sentiam ao constatarem que as verdades de décadas tinham sido substituídas por factos e interpretações novas, impensáveis até aí, mas também a tentativa de manter a sanidade perante o novo quadro das coisas. Não corresponde à verdade, é claro. Doutra forma, os historiadores não teriam emprego, até porque é possível enganar muita gente, pelo menos durante algum tempo.

A narrativa do Estado de Israel — a quarta maior potência militar do Mundo — como vítima, logo no pleno direito de se defender da agressão, vinda de fora das suas fronteiras (?!!!), continua dominante. O mais provável é que vá continuar a sê-lo. Mas não para sempre. A minha falecida mãe costumava dizer (citando a minha avó materna, que não cheguei a conhecer): "A mentira tem perna curta, nunca consegue ir longe". A verdade acabará por chegar à Palestina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15


Dois navios de activistas não chegam a Gaza

por Luis Moreira, em 06.11.11

Muito propositadamente, saíram de um porto Turco que, como sabemos nada tem a ver com o conflito nem com o interesse mais que óbvio na liderança naquela região do mundo. Felizmente, desta vez, não houve mortos nem feridos a lamentar.

Israel defende-se dizendo que os medicamentos podem chegar a Gaza por terra, forma de os poder controlar. Os activistas dizem que a abordagem em águas internacionais  é ilegal e assim se vai mantendo a chama acesa.

Claro que com os medicamentos podem seguir armas mas não é uma coisa nem outra que está em discussão. O que está em discussão são as vantagens estratégicas obtidas no terreno e de que ninguém quer largar mão!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Eles são um grupo profissional de hackers além da ...

  • Anónimo

    Muitos QUEREM SER HACKERS ONLINE Cuidado com os am...

  • Barei Khan

    Olá, deparei-me com um grupo de hackers certificad...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • SALLY PAUL

    NOTA: Se vocêestá procurando uma empresa de emprés...

  • MIKE BLIZZ

    Por que você vai ao banco pedir um empréstimo que ...

  • MARK DOROTHY

    Do you suffer financially or do you need emergency...

  • Anónimo

    VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING DE QUALIDADE...

  • Anónimo

    VOCÊ ESTÁ PROCURANDO UM HACKER ONLINE E ENTRE OS H...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  



subscrever feeds