Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Daqui a 50 anos, ninguém vai querer saber do precipício fiscal [americano] ou da crise do Euro. [As pessoas] vão apenas perguntar, "Então, o Árctico derreteu e o que foi que tu fizeste?"

Bill Mckibben, Rolling Stone

Muitas pessoas criticam o senhor Al Gore pela forma como ele abordou aquela que é, muito provavelmente, a mais perigosa crise da história da humanidade. Não me estou a referir a negacionistas das alterações climáticas, porque esses, mesmo que verifiquem o sentido de "muitas", não conseguem verificar qualquer sentido razoável do termo "pessoas". Tentar motivar as pessoas em torno duma ameaça comum, funciona se essas pessoas tiverem uma percepção física da ameaça. Enquanto a Exxon-Mobil não bombardear Honolulu, ou a Royal Dutch Shell não bombardear Roterdão, aquele sentido de perigo eminente, que deu origem ao que os americanos chamam "A grande geração", estará ausente. E estará ausente, porque, por exemplo por estas paragens, os condores do Gaspar bombardeiam todas as cidades e vilas deste país, com efeitos mais do que destruidores, extremamente próximos.

O movimento pelo desinvestimento no carbono está a ganhar amplitude. Adapta-se muito bem às características dos países anglo-saxónicos, mas como é que conseguirá desembarcar nas praias da Normandia? A muralha do Atlântico erigida pela segunda maior construtora de fortalezas da História, continua a revelar-se inexpugnável. Mais do que a do seu antecessor, mas vejamos os verdadeiros paralelos históricos, um pouco mais a sério do que os das frases anteriores.



Quando Gandhi iniciou a Grande Marcha do Sal, muito poucos foram aqueles, no Congresso Nacional Indiano, que pensaram que a iniciativa iria ter um mínimo de sucesso. No entanto, Gandhi estava a fazer duas coisas. A primeira era morder o poder instalado no único sítio onde ele sente a dor, ou seja, no bolso; a segunda, é que estava a oferecer aos povos do sub-continente indiano um objectivo prático e com grande impacto na sua sobrevivência imediata. O movimento pelo desinvestimento no carbono tem a primeira daquelas duas características. A forma como este movimento possa vir a ser adaptado às mais opacas sociedades do lado de cá do Canal da Mancha, irá depender da resposta ao segundo requisito de Gandhi. A necessidade aperta, mas confesso que não faço a menor ideia de como poderemos celebrar o próximo 6 de Junho.

Mas para os que tiverem dúvidas até que ponto é fácil dividir e desmoralizar toda a gente, basta olhar para a imagem que se segue. O método é muito simples, basta escolher o período de tempo que mais lhes convier. Entretanto, vamos vivendo os dias do trólaró.



Uma boa parte dos equívocos em que o bluff monumental das indústrias fósseis assenta, está naquela última frase da cena clássica de O Gigante: "Devias ter-lhe dado um tiro há muito tempo. Agora, ele é demasiadamente rico para ser morto". Perdão? Importa-se de repetir? O filme data do ano em que eu nasci; o James Dean ter-se-ia tornado um gigante, mais ou menos pela altura do meu décimo-quinto aniversário. Sim, nas cenas seguintes começam a ver-se camiões-tanque a passar na estrada, lá ao fundo, mas isso não passa de trólaró: se o James Dean tivesse descoberto petróleo algures na Andaluzia e tivesse celebrado um contrato para abastecer a refinaria de Sines..., bem, as contas são fáceis de fazer, um camião-tanque igual a 30 toneladas, teriam sido precisos 100 000 camiões por mês para abastecer a refinaria; 100 000 camiões/mês vezes dois (então e a viagem de regresso?), vezes 600 quilómetros, a velocidade média seria..., não faço ideia, mas digamos que as estradas do Alentejo estariam hoje todas transformadas em pistas de fórmula 1. As industrias fósseis passam 10-15 anos a injectar quantidades astronómicas de dinheiro nos seus poços, os cidadãos convencem-se que os seus países estão a ficar mais ricos, porque querem (!), o resultado final, com poucas excepções, é que a vasta maioria ficou mais pobre. Os 400 ppm de CO2 na atmosfera, são apenas o resultado de a sôdona física ter feito àquele bluff, aquilo que no poker se designa por "pagar para ver". Os adoradores do deus mercado, esses, continuam apenas a subir a parada. A verdade simples, é que não sabem fazer outra coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:56


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Olá pessoal, você precisa de serviços de hackers?E...

  • Anónimo

    I was searching for loan to sort out my bills &...

  • Anónimo

    VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING DE QUALIDADE...

  • Anónimo

    VOCÊ ESTÁ PROCURANDO UM HACKER ONLINE E ENTRE EM C...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Anónimo

    ENTRE EM CONTATO COM TODOS OS TIPOS DE TRABALHO HA...

  • Anónimo

    Recebi meu cartão multibanco programado e em branc...

  • Anónimo

    VOCÊ ESTÁ PROCURANDO UM HACKER ONLINE E ENTRE EM C...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    Olá, conheci um grupo de hackers há algumas semana...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  



subscrever feeds