Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


"Happening" in Parlamento by Gabriela Canavilhas

por Luiz Antunes, em 18.09.10

No início da "nova temporada" da Ministra da Cultura, enquanto "Directora Artística do Parlamento", atenta para o seguinte:

 

"(...) Colapso iminente do Estado Social" nos países europeus, defendendo de novo a urgência de "minimizar" a dependência das estruturas do sector em relação ao Estado. (...)" ; "(...) Os cortes de despesa pública nos países europeus demonstram que o Estado social encontrou o seu limite mas há outras formas de dar segurança ao sector artístico e minimizar a dependência em relação ao Estado".

 

Este é o programa que assegura várias coreografias a diversos artistas em Portugal.

Mas como actualmente em Portugal se pensa mais do que se dança, até porque o "movimento dançado" é o que liga as imagens sequenciais e sucessórias num trabalho coreográfico, iniciei um processo de "pesquisa coreográfica" que me levou ao seguinte processo cognitivo:

 

- O Ministério da Cultura em Portugal é o que recebe menos do orçamento de Estado e, segundo estudos publicados, dos Ministérios que apresenta maior dinamismo e retorno de verbas.

 

- Porque é que os artistas subsidiados pelo Ministério da Cultura, através dos seus mais diversos institutos e estruturas de apoio cultural, não são integrados nas programações dos Teatros Nacionais?

Por exemplo, um projecto que seja subsidiado em Lisboa, normalmente, apresenta-se dois ou três dias apenas, depois de vários meses de trabalho (pois nunca existem salas disponíveis na Capital). O projecto morre de seguida... Os produtores ou os próprios criadores tentam vender o projecto para as diversas salas do País mas, ou os programadores não percebem os conteúdos dos projectos / espectáculos e não arriscam em novos criadores, ou acham que é extremamente arrojado para o público dos seus feudos Culturais. Muitos destes senhores que programam as salas, de norte a sul do País, acumulam normalmente diversos cargos nos Municípios; podem ser vereadores da Juventude, Médicos, Engenheiros, Advogados, Pedreiros, Trolhas, Vereadores da Educação.... Enfim... Tudo menos pessoas das Artes. Este facto é curioso num Portugal que cada vez tem mais cursos Superiores nas Áreas Artísticas (só em Dança existem dois: Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa e Escola Superior de Dança do Instituto Politécnico de Lisboa).

Voltando à ideia inicial pensei: não seria lógico que os projectos subsidiados tivessem uma obrigatoriedade contractual com o próprio Ministério de se apresentar em X salas, nos diversos pontos do País? Era possivel conhecer os trabalhos dos novos criadores de uma outra forma e diminuir o elitismo cultural pertencente a meia dúzia.

Talvez?!

 

- A LEI DO MECENATO. Será que já se pensou em alterar claramente uma lei bafienta cuja a aplicabilidade é quase nula pela sua complexidade (pelo menos no que diz respeito às Artes de Palco)? O principio do Mecenato é fundamental que se recupere. Integrar a sociedade civil no apoio a projectos. Relembro a significação de mecenas: protector dos literatos e das letras; Pessoa ou entidade que patrocina financeiramente um artista, instituição ou evento cultural.

 

Termino esta verborreia com o seguinte exemplo:

 

O Centro Cultural de Belém (CCB) promove um projecto que se chama BOX NOVA que visa apoiar criações a estrearem ou a apresentarem-se pela primeira vez em Lisboa... São disponobilizados 3000 euros para a produção. Os criadores concorrem com os seus projectos escritos (muitos não são lidos sequer, mas isso é outra coisa)... As escolhas e análises são feitas por quem de direito... et voilá... caso se tenha o bafejo da sorte, têm-se data...

A máquina arranca, é  o corpo que pulsa, é a imaginação que projecta na cena o que irá ser. Os ensaios arrancam em sítios emprestados ou nas salas das próprias de casas (pois os espaços adequados para ensaio são escassos e não para todos). A data aproxima-se e quatro dias antes da estreia começam os ensaios e montagens no local, neste caso a Black Box do CCB. Mas... tudo isto para uma única apresentação: do espectáculo/performance/acto criatico/projecto pluridisciplinar/coreografia... São 50 lugares apenas e se tudo correr bem ainda ainda se consegue convidar alguém para o ensaio geral...

 

Não é preciso pensar muito... nem fazer "imensas" reuniões e conferências no CCB para se saber o que realmente é necessário fazer... Fiquemos com a ideia da Alteração da Lei do Mecenato e a criação de rotatividade dos trabalhos apoiados pelo Ministério da Cultura... O que seria....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:28


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    OLÁ!!! Você é um homem ou uma mulher? Você precisa...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Anónimo

    Ile é conectado como o controle de acesso à Intern...

  • Anónimo

    Eles são conhecidos como os onipotentes gurus da I...

  • Anónimo

    Se você precisa de um serviço de hackers genuíno e...

  • Anónimo

    Olá pessoal, você precisa de serviços de hackers?E...

  • Төлөгөн Аимэшхан

    Você precisa de algum serviço de hackers? Você est...

  • Anónimo

    Muitos QUEREM SER HACKERS ON-LINE Cuidado com os a...

  • Anónimo

    Eles são um grupo profissional de hackers além da ...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog