Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A fasquia dos 300

por Francisco Clamote, em 13.10.13
Com a introdução do Euro desapareceram as lojas dos 300 . Em substituição surgiu agora, pela mão deste governo, numa espécie de revivalismo, a fasquia dos 300. Creio não estar a cometer, com esta atribuição, nenhuma injustiça, pois, se bem me lembro foi o INE a entidade que anunciou, aqui há uns tempos, que os salários pagos nos novos empregos entretanto criados nos últimos meses e de que o governo tanto se ufana, apesar de a descida do desemprego se cifrar em escassíssimas décimas, andam à volta dos 300 euros por mês. O "mérito" cabe por inteiro a este governo, que, desde que tomou posse, outra política não tem seguido que não seja a de forçar a baixa de salários em nome da competitividade que, sabe-se lá se por pura "malvadez", não tem correspondido às "boas" intenções do governo: a  dita cuja, em vez de subir, tem baixado.

Se este governo não tem vergonha de estar a promover salários à volta dos 300 euros por mês, não tem nada de surpreendente o facto de o mesmo governo ter vindo a proceder a cortes em salários e pensões acima dos 600 euros e de se propor continuar pela mesma senda. Para um tal governo é óbvio que quem aufere rendimentos de tal montante é "gente rica" que, ainda por cima, na perspectiva do primeiro-ministro Coelho, tem vivido "acima das suas possibilidades" e bem merece os castigos que este governo lhe tem vindo a proporcionar. Com imenso gosto.

E é claro que, para um governo como este ("de delinquentes", como diz e bem, Mário Soares), falar de "direitos adquiridos" é pura perda de tempo, pois "direito" e "direitos", são termos que não fazem parte da novilíngua que este governo tem vindo a inventar. Mas não só. Basta ouvir ou ler os Gomes Ferreiras que há por aí para concluir que funcionários públicos, reformados e pensionistas não têm direitos. Nem sei mesmo se ainda se poderá falar em legítimas expectativas. Não desesperem, porém, os funcionários públicos, os reformados e pensionistas. Como esta gente fala muito em caridade, talvez ainda possam contar, no futuro, com umas esmolas na fasquia dos 300.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:13


Licenciados com mentalidade de "funcionário"

por Luis Moreira, em 08.04.12

Os jovens licenciados saem da universidade com mentalidade de "funcionário" e não servem para nada ! Esta é a conclusão a que chegou um seminário levado a efeito Universidade Católica do Porto.

Embora seja cada vez  mais evidente que há grandes avanços na investigação e no empreendorismo por parte dos jovens universitários , a verdade é que a maioria suspira por um lugarzinho no estado com vencimento certo e progressão automática garantida.

«Nos últimos 20 anos foram feitas apostas erradas, pelos sucessivos governos, que conduziram a que agora estejamos com um nível de desemprego jovem absolutamente brutal», salientou o empresário, que classifica de «crime social» tais opções.
Também José Epifânio da Franca, criador da Chipidea e docente universitário, acredita que o que foi feito no país em termos de ensino superior «foi criminoso e o resultado está à vista».
«Há milhares de jovens licenciados desempregados, mas não há valor económico na sua licenciatura. O sistema produz jovens [licenciados] que não servem para nada», frisou.
A este respeito, Salcedo diz mesmo que o país não deveria «ter investido tanto em betão, mas na criação de competências».
Traçando o perfil que considera ideal do aluno recém-licenciado, defende que tem de «ser capaz de pensar criticamente, isto é, distinguir o trigo do joio, digerir com inteligência a informação do mundo que o rodeia e ser capaz de chegar às suas próprias conclusões com inteligência».
Além disso, deve ainda «ser capaz de atuar com criatividade em ações concretas, aplicando aquilo que aprendeu».

Fazer acreditar aos jovens que é possível ter emprego toda a vida sem avaliação e com progressões automáticas garantidas, é um crime! Mas é isso que os sindicatos defendem!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30


Os subsídios, as reformas e a política

por Luis Moreira, em 07.04.12

Como diz aqui o António Metelo, numa altura em que estamos numa situação tão complicada é muito difícil perceber que o governo coloque o país perante  o corte dos subsídios  até 2015. Podia esperar até 2014 e, aí, com todos os dados na mão, informava o país. Isto é óbvio e não o fazendo o governo mostra que quer fazer o mal todo agora e guardar as boas notícias, se as houver, para 2015 ano de eleições.

E, como digo eu aqui, a verdade é que "gradualmente" é uma forma tão abrangente que dá para tudo. Hoje no (i) Medina Carreira diz que a Segurança Social colapsa dentro de seis anos, e não devemos esquecer que é esta mesma Segurança Social que mereceu a mais afamada reforma feita no país pela mão do ministro socialista Vieira da Silva.

Por outro lado e porque alguns ainda não entenderam, o governo não abrange os trabalhadores da privada porque isso não constituiria um corte na despesa do estado. E as reformas onde pode haver redução de custos significativos como na Saúde, levam tempo a implementar. Restam pois os funcionários públicos e os pensionistas. Nestes últimos uma medida adicional pode ser o plafonamento que não reduz significativamente a despesa na Segurança Social mas que a controla.

Também tudo se pode resumir a uma declaração nada apropriada de um funcionário em Bruxelas que obrigou o governo Português a vir a público tentar remendar o que queria manter em segredo ( e não podia dizer que não, porque já sabia que os subsídios serão mesmo retidos).

A verdade é que  a retenção dos subsídios reduz a despesa do Estado em catorze por cento e isso explica tudo. Até os "lapsos"!

Embora nesta matéria não haja lapso nenhum!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


"Afinidades" políticas cheira a fascismo

por Luis Moreira, em 30.03.12

Se isto é verdade então há que apresentar uma queixa nas autoridades competentes e por a andar sua excelência o praticante pidesco. Em Portugal há uma perigosa tendência "para ir além" do que a liberdade permite. Há quem se dê muito mal com a opinião dos outros que invente tudo e mais alguma coisa para calar as vozes que não lhe agradam. Em democracia não é assim. Temos todos o direito de pensarmos e expressarmos livremente .

Quem não gosta deve abandonar o barco, a esmagadora maioria do povo português quer viver em democracia e no estado de direito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00


Jornada de luta

por Luis Moreira, em 27.02.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00


Greve Geral

por Luis Moreira, em 27.02.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00


A mobilidade dos funcionários públicos

por Luis Moreira, em 16.02.12

Uma coisa é certa, o trabalhador seja ele funcionário público ou não é necessário onde está o posto de trabalho, onde há o trabalho. E é a partir desta verdade incontornável que temos de abordar o problema. Proteger o trabalhador com os apoios necessários a quem muda de casa, de terra, que vai para longe dos amigos e da família? Naturalmente, também não pode ser de outra maneira. O que não pode ser é o trabalho estar num determinado local e o trabalhador num local diferente.

O meu pai era funcionário público, no antigo Ministério das Obras Públicas. Trabalhou em Bragança, Porto, Abrantes, Caldas da Rainha, Castelo Branco, Beja e no Alfeite no Montijo. Eu vivia com ele, criança, mudei uma e outra vez de escola e de amigos. Foi bom? Não, não foi ! Mas foi muito melhor do que se o meu pai não tivesse tido trabalho.

Qual é a alternativa? Ter trabalhadores onde não são precisos e ter trabalho onde não há trabalhadores? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:30

Isto está a ir ao lugar! Os senhores dirigentes da Função Pública têm que exercer em exclusividade a sua função não podendo exercer qualquer outra actividade remunerada ou não.

E, os técnicos podem continuar a fazer os projectos na privada para depois os autorizarem na pública?

"Os titulares dos cargos dirigentes ficam sujeitos a um regime de exclusividade que “implica a renúncia ao exercício de quaisquer outras actividades ou funções de natureza profissional, públicas ou privadas, exercidas com carácter regular ou não, e independentemente da respectiva remuneração”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00


Funcionário público sem subsídios...

por Luis Moreira, em 04.11.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:00


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    kkkk tipo a classe média de Cuba ou da Venezuela?

  • Anónimo

    Olá, telespectadores, quero compartilhar minha exp...

  • Anónimo

    Eles são um grupo profissional de hackers além da ...

  • Anónimo

    Muitos QUEREM SER HACKERS ONLINE Cuidado com os am...

  • Barei Khan

    Olá, deparei-me com um grupo de hackers certificad...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • SALLY PAUL

    NOTA: Se vocêestá procurando uma empresa de emprés...

  • MIKE BLIZZ

    Por que você vai ao banco pedir um empréstimo que ...

  • MARK DOROTHY

    Do you suffer financially or do you need emergency...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog