Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um comprimido torna-te enorme,
Outro comprimido torna-te minúsculo.
E os que a mamã dá,
Nem aquecem nem arrefecem.
Pergunta à Alice,
Quando ela tiver três metros d'altura.
E se fores caçar coelhos,
Sabendo já que vais cair,
Diz-lhes que uma lagarta, fumando nargilé,
Te disse para perguntares à Alice,
Quando ela estiver pequenina.
Quando as peças do xadrez
Se levantam e te ordenam para onde ires,
Quando um cogumelo selvagem
Faz a tua mente girar devagar,
Pergunta à Alice,
Acho que ela vai saber.
Quando lógica e proporção
Tiverem caído, redondas, no chão
E o Rei Branco falar por anagramas
E a Rainha Vermelhas se desfizer em fúria,
Recorda o que o batente da porta te disse:
"Pensa pela tua cabeça!"

— White Rabbit, Grace Slick

Ninguém fala noutra coisa, o relatório do fmi, o relatório do fmi... Hoje, duma assentada, o Esquerda[ponto]Net, propõe-nos três artigos a respeito do tal relatório do fmi. Uff! Mudaram de título ao quarto, para irem finalmente direitos ao assunto.

Penso não ser muito difícil perceber a razão do enfoque: "Ah...! O pessoal não grama o fê-mê-i, bora!". Lamento muito, pessoal, mas é um erro. Não estou a dizer que o tal fê-mê-i não mereça umas boas castanhadas, mas o enfoque é um erro político. E um erro que nada ajuda no essencial. Como nunca gostei que me assobiassem para beber água, decidi seguir o conselho da Grace Slick e pensar pela minha própria cabeça, lendo o dito cujo.

Primeiro pormenor, e não é de somenos: o link anterior é para o site do jornal Público; na primeira página, encontra-se um link significativo – para um documento oficial do FMI (!) – e é este: Linhas Orientadoras para Divulgação de Informação Técnica. Não será difícil compreender que o desgoverno português violou aquelas regras, da forma mais saloia e mais gritante, e pelos motivos mais baixos deste mundo e do outro. O resto é outra loiça e porcelana que eu bem conheço: aquilo é um relatório de consultadoria.

Já fiz muito trabalho de consultadoria e há um documento que tenho bem presente no meu espírito: tem por título Manual do Consultor e contém uma única folha. Na frente, uma única frase. Esta:

Albarda-se sempre o burro à vontade do dono.

Sei que estou a divulgar segredos corporativos, por isso..., não faz sentido esconder o resto. Na outra face daquela folha única, encontramos apenas uma definição, a definição do métier e dos seus praticantes:

'Consultor' é um homem que conhece trezentas maneiras de foder e não conhece nenhuma mulher.

Esta definição não é tão literal como pode parecer..., significa que..., bem..., um consultor não é responsável pela implementação da..., ahn! assistência técnica..., ora bolas! Já estou lixado, que se dane. Cada leitor que pense o que muito bem entender.

No que respeita ao essencial, os factos são simples: o coelhito começou a falar em "refundação" nos finais de Outubro de 2012; o relatório é datado "Janeiro de 2013". Este não é o "plano do fmi"; esses são apenas gajos que verificam aquela definição acima, e que fazem o que o dono do burro quer que se seja feito; dizem-lhe como fazer o que ele quer ver realizado. Este é o plano do coelho branco, do gaspar cinzento, do borges furta-cores e do relvas alucinogéno. É o seu ódio à simples ideia de coesão social; é a sua baixeza e incompetência gritantes. Em cada linha, em cada vírgula. Até, talvez, no espaço em branco das margens. Talvez nos espaços em branco ainda mais do que no resto: ...quando um cogumelo selvagem faz a tua mente girar devagar..., o absurdo consumou-se e o coelho branco está no poder.



I've seen the Future, brother / And it is murder. – Leornard Cohen

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35

Este é mais um post a que eu dei o mesmo título-base — Crónica antecipada duma revolução inevitável — de outros anteriores. O motivo é simples: isto não vai acabar bem! Nunca acabou, porque seria agora que as coisas seriam diferentes? Até os chineses Han se conseguiram libertar do jugo mongol e, vejamos, nem o Relvas nem o Passos são exactamente um Genghis ou um Kublai. Como vai acontecer, não faço a menor ideia. Quando vai acontecer, também não sei, mas a este respeito é fácil estabelecer um limite superior: antes de 2050! Não, não é tranquilizador, mas é uma afirmação segura.

É que o Planeta está a aquecer, e a velocidade do aquecimento está a aumentar, porque cada vez emitimos mais dióxido de carbono para a atmosfera. O carvão será a principal fonte de energia em breve. Noticias péssimas mas inevitáveis: as potências emergentes não vão hipotecar a sua chance de desenvolvimento, para tirarem as castanhas do lume, num braseiro que não foram eles que acenderam. Estão já a fazer muito mais do que o "terço norte industrializado", a Europa, os Estados Unidos e o Japão, fizeram durante duzentos anos de Revolução Industrial. Inevitavelmente insuficiente, mas a questão política aqui, é que os gaspares e as merkels estão a destruir a coesão social, que a abordagem dos assuntos globais exige: quando a crise bate à porta, os ursos polares..., que se podam, como diria o Pernando. No planeta passos, as pirâmides de Gizé, obra de homens e mulheres livres e remunerados acima da média, nunca teriam sido construidas.

A temperatura média da atmosfera irá aumentar, algures entre os optimistas 2º C do protocolo de Kyoto e os virtualmente catastróficos 4ºC, cada vez mais inevitáveis. Isto significa energia. Mais energia na atmosfera. Quanta? É relativamente simples. O calor específico do ar, cp, é muito aproximadamente igual a 1 KJoule por quilograma e por grau Kelvin; a massa total da atmosfera é aproximadamente 5 × 1018 quilogramas. Por isso, depois de multiplicarmos os ingénuos 2º C de Kyoto, por 5 (e dividirmos pelo coeficiente adiabático, cp/cv, igual a 1,4), o resultado é aproximadamente 7,1 × 1018 KiloJoule. Ainda não dá para perceber, pelo que o mais aconselhável é adicionar seis zeros ao KiloJoule e dividir pela "latência" da atmosfera, e o resultado torna-se mais perceptível: cerca de 25 milhões de GigaWatt, ou seja, aproximadamente 25 milhões de reactores nucleares. Ora, como a Terra suportaria, no limite, cerca de 8000 coisas destas, aqueles números implicariam esventrar, escavacar, mineirar até ao tutano, mais ou menos 3000 Sistemas Solares como o nosso. Convenhamos que é muito mais simples queimar carvão e hidrocarbonetos fósseis, e libertar o dióxido de carbono produzido na atmosfera...

As consequências seriam as mesmas. Mas como escolhemos a forma mais simples de loucura, isso deixa-nos num imbróglio. É que não basta esperar que até lá, alguém invente alternativas: os pontos de não-retorno já foram ultrapassados e estamos a aumentar o problema, de forma abismal, a cada dia que passa. Aquilo que não fizermos hoje, enquanto a pressão ainda não é demasiada, irão os nossos filhos e os nossos netos ter que fazer pela necessidade da sobrevivência física imediata. Vão fazê-lo, mas apenas depois, ou enquanto, chamam meretrizes às respectivas avós e bisavós.

Como esta perspectiva não me agrada, não me agrada mesmo nada, considero preferível estimar quanto é que nos custaria, hoje, abordar o problema de frente. As respostas são duas e a mais importante é estritamente qualitativa: aproximadamente metade do que irá custar aos nossos filhos e netos, lá pela metade do século; a segunda é quantitativa e o trabalho pesado já foi feito por uma agência do governo americano: cerca de 3,5 cêntimos a mais no custo base do kilowatt.hora de electricidade com origem no carvão, cerca de 8,3 cêntimos a mais no custo base de 1 quilograma de gás natural e cerca de 10 e 11 cêntimos a mais nos custos base de, respectivamente, 1 quilograma de gasóleo e de 1 quilograma de gasolina -- e quem preferir continuar a enganar-se a si próprio, fazendo contas em litros de gasolina e metros cúbicos de gás, pois que multiplique os últimos números por 0,8.

Estes números derivam de ainda um outro estudo — notável — patrocinado pelo governo americano, e dizendo respeito aos custos actuais da captura e sequestro do excesso de dióxido de carbono atmosférico, gerado pela actividade industrial humana. Não parecem muito ameaçadores, entre $15 e $25 dólares actuais, por tonelada de dióxido de carbono capturado. A verdadeira ameaça é política.

Aquele trabalho notável que eu referi, tenta subtilmente induzir o governo americano a abordar o assunto como uma prioridade de segurança nacional, logo como um custo social, a ser equitativamente suportado por todos os cidadãos, pois todos estão em risco. Feito à moda do planeta-gaspar, os números acima representam um terço do aumento dos preços hoje, e um sexto do aumento dos preços, daqui a 40 anos. Não deixe que os seus filhos e netos chamem aquelas coisas feias à sua mãezinha.



Porque é nessas alturas que a lucidez dos visionários se torna quase insuportável.


Give me back my broken night
my mirrored room, my secret life
it's lonely here,
there's no one left to torture
Give me absolute control
over every living soul
And lie beside me, baby,
that's an order!
Give me crack and anal sex
Take the only tree that's left
and stuff it up the hole
in your culture
Give me back the Berlin wall
give me Stalin and St Paul
I've seen the future, brother:
it is murder.

Things are going to slide, slide in all directions
Won't be nothing
Nothing you can measure anymore
The blizzard, the blizzard of the world
has crossed the threshold
and it has overturned
the order of the soul
When they said REPENT REPENT
I wonder what they meant
When they said REPENT REPENT
I wonder what they meant
When they said REPENT REPENT
I wonder what they meant

You don't know me from the wind
you never will, you never did
I'm the little jew
who wrote the Bible
I've seen the nations rise and fall
I've heard their stories, heard them all
but love's the only engine of survival
Your servant here, he has been told
to say it clear, to say it cold:
It's over, it ain't going
any further
And now the wheels of heaven stop
you feel the devil's riding crop
Get ready for the future:
it is murder

There'll be the breaking of the ancient
western code
Your private life will suddenly explode
There'll be phantoms
There'll be fires on the road
and the white man dancing
You'll see a woman
hanging upside down
her features covered by her fallen gown
and all the lousy little poets
coming round
tryin' to sound like Charlie Manson
and the white man dancin'

Give me back the Berlin wall
Give me Stalin and St Paul
Give me Christ
or give me Hiroshima
Destroy another fetus now
We don't like children anyhow
I've seen the future, baby:
it is murder

— Leonard Cohen

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:41

O Livro do Génesis diz-nos que Adão foi criado a partir do barro; e depois, Eva foi criada a partir duma costela de Adão. Pense-se o que se pensar a respeito das afirmações anteriores, é perfeitamente claro e pacífico que estamos perante dois casos de criação ex materia, a partir de matéria pré-existente. Bem, então e o resto?

Quanto ao resto, a fonte citada é omissa. Diz apenas que no princípio — então e antes disso? — deus-nosso-senhor criou a Terra e o Sol, e as estrelas do firmamento. Não nos diz a partir do quê. Não nos diz nada a esse respeito. Ora, dum ponto de vista estritamente lógico, podemos muito bem supor que deus não o disse por não ser da nossa conta, ou então, porque os nossos cérebros limitados não seriam capazes de o abarcar. Acontece que todas as religiões reveladas têm dogmas não explícitos (sempre os mais importantes). Para as religiões do Levante, os mais importantes são o dogma da completude — deus-nosso-senhor disse-nos tudo o que havia para dizer — e o dogma da inteligibilidade: disse-o de forma a que todos os seres humanos fossem capazes de compreender.

Em consequência, todos os teólogos da revelação, acabaram por cair sempre todos para o mesmo lado (muitas vezes ao fim de furiosos debates): o Mundo foi criado ex nihilo, literalmente, a partir do Nada. Nada a objectar, o que torto nasce, tarde ou nunca se endireita, mas..., então, quem foi que criou o dinheiro?

Um desses teólogos, um francês chamado Roger Vadim, disse-nos o que já sabíamos, ou seja, que deus tinha criado a Brigitte Bardot daqueles tempos. Tudo bem! Então e o tógé?



Curiosamente, vivemos o primeiro período histórico em que os teólogos da situação defendem a criação monetária ex nihilo, por privados, de forma explícita. Nunca antes na História houve Gaspares explícitos: muitos cantaram a canção da sereia, mas sem nunca terem a coragem de se assumirem. No fim de contas, esses proto-gaspares também eram representantes do poder soberano. No fim de contas, se a criação ex nihilo era um atributo da divindade, então tinha que estar reservada, por exemplo, para os Reis-deuses da Mesopotâmia; ou então para os representantes de deus na Terra, ou seja, os detentores do poder soberano.

Hoje em dia tudo mudou. Esta é uma mudança bárbara e cruel e muitos ainda não a entendem. Atravessa tudo, na Europa. E apenas um pouco menos no resto do Mundo, e apenas porque os detentores do tal poder soberano nunca arriaram as calças como o gaspar. Um tudo nada, sim. Até aos calcanhares, nem pensar! Nós portugueses somos vítimas, sobretudo porque não compreendemos o que se passa. Vejamos um exemplo que, aparentemente, não tem nada a ver com criação monetária.

Nunca achei Daniel Oliveira um pensador muito importante. Atento, sim, empenhado, sempre, mas não particularmente interessante. Com aquela frase inicial, dum artigo já amplamente (des)comentado, parece no entanto, ter tocado em algo de profundo (sem que o próprio se tenha dado conta, quer-me parecer). Mas vejamos aquela coisa desagradável, que dá pelo nome de factos, e que só preocupa quem se preocupar com a possibilidade de estar errado. É que aquela referência a "Obama um tipo decente" fez-me despertar qualquer coisa na memória, e, veja-se, a minha não estava completamente errada: o post com aquele exacto título foi publicado no 'Arrastão' a 1 de Março de 2007; no primeiro dia, do terceiro mês, do sétimo ano do segundo milénio da nossa era. Naquela altura, Barack Hussein Obama tinha já tornado pública a sua decisão de se candidatar, mas as primárias do partido democrático estavam ainda a mais de um ano de distância, e as eleições presidenciais americanas, de 2008, a mais de dezoito meses de distância.

Dezoito meses! Nem um burro demora tanto tempo para nascer; só mesmo um castendo. Naquela altura, não só Barack Obama não era presidente dos Estados Unidos, como muito poucos seriam aqueles que acreditassem que alguém, com aquele nome, alguma vez o pudesse ser.

Erros, todos os cometemos. Este erro, em particular, tem apenas o interesse de nos remeter para aquele 'algo mais profundo' a que aludi no início. A esta distância, o tal burro, já nem mamão é. Mas o PCP, esse é um assunto incontornável da realidade portuguesa, talvez o único partido político genuinamente português, que existe neste país.

E o PCP move-se. Devagar, devagarinho, que aquilo não é gente para atitudes de sopetão. Nada de piadas alentejanas, acontece apenas que quem quiser 'lêr o PCP' não pode ser dado à ansiedade. Ora, se o assunto fosse, sei lá, o futuro europeu do FCP, eu não estaria a escrever estas linhas. O assunto não me interessaria, nem a proverbial ponta dum chavelho.

Mas como o assunto é o meu País, e como não acredito, não vejo como alguma vez poderá existir um governo de esquerda que não inclua os comunistas portugueses, este é um assunto meu. Luz ao fundo do túnel, só se dermos uma cabeçada na parede e começarmos a ver luzinhas. Nada!

Já tentei (e não foi uma vez nem duas) lançar o debate sobre as causas reais da crise profunda que a todos nos tolhe. A ausência de resultados só poderia desmotivar alguém menos teimoso do que eu, por isso, vou tentar mais uma vez; com ainda outro ângulo sobre a realidade: será que a chamada "banca islâmica" (e a sua prática) é relevante para a situação actual, e para a sua resolução?

A minha resposta pessoal — e é apenas um ponto de partida — é NÃO! A analogia com o PCP é tudo menos meramente situacional; ambas as abordagens revelam uma sabedoria profunda. Acontece apenas que essa sabedoria se perde no ritual, nos epifenómenos duma época que não é a nossa e já não existe. Ambas as abordagens acabam por não fazer mais do que levantar o cú para o ar e afirmar "Allah u-Akbar!". Uns numa direcção, outros noutra; uns numa língua, outros noutra. Tão rigorosamente inúteis uns como os outros.

E contudo, aquela sabedoria profunda continua a ser essencial. Porque a esquecemos, voltámos, mais uma vez, a condenar-nos a reviver as mesmas situações. Como de costume, mais uma vez, com um carácter de farsa. Não menos trágica por isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:59


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    hello everyone, i'm so happy to recommend and tell...

  • Anónimo

    Tenho o prazer de anunciar ao mundo sobre esse gru...

  • Anónimo

    Tenho o prazer de anunciar ao mundo sobre esse gru...

  • Anónimo

    Eles são uma equipe de legítimos profissionais HAC...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço genuíno de hackers ...

  • Anónimo

    They are a professional group of hackers beyond th...

  • Anónimo

    Despite all odds, this set of hackers has proved w...

  • Anónimo

    Se você precisar dos serviços de um hacker ético c...

  • Altanhuyg Ariunaa

    Se você precisar dos serviços de um hacker ético c...

  • Anónimo

    Eles são um grupo profissional de hackers além da ...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog