Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O caso terminou como se esperava, tendo em conta que estamos perante uma "entidade" anti-democrática (não verdadeiramente eleita, mas resultado dos famigerados acordos parlamentares), sem autonomia, mera marioneta política. Os três "reguladores" indicados pelo PSD votaram a favor do "não houve pressões"; os dois "reguladores" indicados pelo PS decidiram no sentido oposto. Assim sendo, ignorando o magnânimo citador-mor, como sempre fiz, passando ao lado do facto da ERC, nestas situações, votar tendencialmente pela cor (será coincidência), destaco a declaração de voto de Arons de Carvalho. Não por se tratar de um "regulador" de cor diferente do estado-de-sítio, mas porque remete para o óbvio. Porém, não posso deixar de criticar o mesmo Arons de Carvalho, um homem com um currículo magno na área das Ciências da Comunicação e, em particular, do Direito da Comunicação, por aceitar integrar um órgão presidido por alguém que de magno tem o apelido. Mutatis mutandis, é como se Mourinho aceitasse ser adjunto de Carlos Queiroz. Dito isto, eis pois a declaração, enquadrada numa notícia do Jornal de Negócios, com as inevitáveis referências ao passado político de Arons. Ter sido político não devia equivaler, neste tipo de instâncias, a uma espécie de capitis diminutio (curioso como noutras áreas se dá o fenómeno inverso); porém, quem aceita integrar um órgão 3+2 deste cariz não se pode queixar. Ainda assim, esta declaração de voto só vem reforçar a opinião que eu já tinha formado, com base no que foi saindo na comunicação social e no que sei e no que intuo de Relvas.

«Numa declaração de voto, Arons de Carvalho descreve a deliberação como uma "inaceitável renúncia à obrigação de condenar as pressões e as ameaças à liberdade de informar e aos direitos dos jornalistas".

A opinião dos outros três membros do conselho regulador, argumenta Arons de Carvalho, "escudou-se na dificuldade de obter uma irrefutável prova material das pressões exercidas". Ou seja, perante testemunhos contraditórios do ministro e das jornalistas do Público, a deliberação da ERC optou por ignorar "diversos indícios relevantes" e a entidade absteve-se de "formular um categórico juízo de verosimilhança".
O antigo secretário de Estado da Comunicação Social de António Guterres sugere que a verosimilhança das declarações das jornalistas do Público é reforçada por uma contradição no testemunho de Miguel Relvas à ERC.
O ministro disse inicialmente ter feito apenas um telefonema à editora de política do Público, "existindo agora provas cabais de que, pelo contrário, foram duas as chamadas, como [Relvas] acabou por reconhecer", escreve Arons de Carvalho.
O vice-presidente da ERC considera "correcta" a decisão do Público de "não divulgar imediatamente as pressões exercidas". No entanto, critica a deliberação por fazer uma relação "entre a gravidade da pressão e o seu efeito prático na conduta do jornal".
"Uma ameaça não é grave pelo efeito que tem, mas pelo efeito que se pretendia que viesse a ter", conclui Arons de Carvalho.
A 18 de Maio, o conselho de redacção do Público denunciou ameaças de Relvas ao jornal e à jornalista Maria José Oliveira.
As ameaças - confirmadas pela direcção do jornal e negadas por Relvas - eram a divulgação na Internet de dados da vida privada da jornalista e um boicote noticioso do Governo ao diário, caso fosse publicada uma notícia sobre declarações do ministro no Parlamento relativamente ao chamado "caso das secretas".
A notícia acabou por não ser publicada. A direcção do jornal considerou que não havia matéria nova relevante relativamente ao último texto da jornalista sobre a matéria.
Maria José Oliveira argumentou que este segundo texto pretendia evidenciar "incongruências" nas declarações do ministro no Parlamento sobre o denominado "caso das Secretas". No início deste mês, a jornalista demitiu-se do Público.»

(ilustração de Cau Gomez)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:50


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING DE QUALIDADE...

  • Anónimo

    Olá pessoal, Você precisa de serviços de hackers? ...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Anónimo

    Muitas pessoas disseram que os hackers invadiram d...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    QUERO HACKEAR UM BLOG!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Anónimo

    oi me explica mais siobre isso


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog