Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Os Berlinenses chamam-lhes "Os Franceses". Poucos terão retido os nomes de família, aliás, sem nunca perderem o poder e a influência que o seu número reduzido não pareceria destinar-lhes. "Os Franceses" são os descendentes dos Huguenotes fugidos de França, após a revogação do Édito de Nantes.

Foram instrumentais em todos os turbilhões europeus desde o fim do século XVII: apoiaram Frederico Guilherme da Prússia contra as pretensões hegemónicas da Suécia, apoiaram-no na primeira divisão da Polónia; apoiaram um Jüncker prussiano de boa cepa, quando este iniciou a reunificação da Alemanha, a partir de 1870. Otto von Bismarck parecia ter o zelo religioso que os Calvinistas consideram como iluminado e única fonte de legitimação do poder. Depois, Bismarck revelou-se aquilo que hoje nos aparece quase como um contradição em termos, um conservador inteligente. A unificação da Alemanha foi feita com base no que ficou conhecido como Capitalismo Renano e pelo dealbar do Estado Social. Os Franceses nunca perdoaram a traição, e passaram os últimos anos do século XIX a conspirar contra Bismarck; conseguiram os seus intentos e conseguiram confirmar a previsão do próprio: "A destruição chegará vinte anos após a minha partida". Quase mês por mês, a Europa foi mergulhada no matadouro da Primeira Guerra.



Curiosamente, o clero protestante em geral, foi um dos poucos corpos organizados da sociedade alemã que manteve uma oposição clara ao nazismo. Os Franceses nunca perdoaram a Hitler o facto deste ter alicerçado o seu poder no apoio dos católicos do Sul e da Santa Sé, em particular. A ocupação soviética e a República de Pankow devolveram os Franceses ao seu estatuto histórico habitual. Um dos que, pela lotaria das ligações familiares, manteve um nome de raiz francês, foi o seu último primeiro ministro. Sem qualquer surpresa, a porta-voz de Lothar de Maizière, é ela própria filha dum pastor Calvinista, notório pela liberdade de movimentos fora do comum de que sempre gozou, no tempo em que, para um alemão de leste, o resto do país do outro lado do muro, estava tão longe como Shangri-La.

É, de alguma forma, irónico, que a mais grave crise que a Europa conhece, desde o fim da 2ª Guerra, seja alimentada pelo zelo religioso profundo, remanescente das Guerras da Religião. No entanto, não conseguimos compreender o impacto desse zelo, sem referir um dos factos mais silenciados da História do séc. XX.

Os "Alemães dos Sudetas" não foram uma invenção de Adolfo Hitler. Existiam grandes comunidades de alemães na Boémia-Morávia; um deles era Oskar Schindler. Essas comunidades eram ainda maiores na Silésia, e, mais para o Norte, do Golfo de Keil até ao Golfo de Riga, toda a margem Sul do Báltico tinha populações germânicas desde os tempos da Liga Hanseática.

Em termos puramente numéricos, o deslocamento das populações germânicas, em face do avanço do Exército Vermelho, foi a maior limpeza étnica, num século notório por factos semelhantes. Quase 17 milhões de alemães foram deslocados. Muitos mais até do que as vítimas da "Grande Permuta", originada pela independência da Índia Britânica; Incomparavelmente mais do que as vítimas da Nakba ("A Grande Catástrofe") palestiniana. Os seus efeitos, contudo, não foram proporcionais aos números.

Iniciado nos finais de 1944, princípios de 1945, o movimento começou com a deslocação das povoações germânicas do Báltico. A administração civil alemã nunca entrou em colapso, nem mesmo no meio do "Crepúsculo dos Deuses" hitleriano; nunca foram criados campos de refugiados, semelhantes aos campos do desespero palestiniano. Os deslocados foram reunidos em campos de trânsito, na região de Hamburgo, e rapidamente dispersos pelas regiões rurais de toda a Alemanha, aquelas onde ainda existiam alguns excedentes alimentares, capazes de os sustentar. Após o fim das hostilidades, os "Quatro Poderes" repetiram o processo de dispersão; apenas os últimos se acumularam nos Lander da Prússia.

Os soviéticos justificaram, durante décadas, o Muro de Berlim e a sua presença militar maciça na ex-Alemanha de Leste, com os riscos do "revanchismo alemão". A expressão designou muito mais a má consciência dos seus autores do que as realidades sociais profundas do sentir alemão. "...designou...", pretérito. Não foi por acaso que Bona foi escolhida como capital da ex-Alemanha Ocidental. A sua localização, nas margens do Reno. Os Renanos sempre desconfiaram "daqueles prussianos, perpétuos escravizadores de eslavos". Da forma mais irónica que é possível, foi a queda do Muro que constituiu a grande oportunidade histórica dos Franceses.

Eu paguei a Hitler (link acima) não é um livro agradável de ler. Fritz von Thyssen negou, depois da Guerra, ter autorizado a publicação das suas memórias. Mas para além do testemunho pessoal, o ponto mais notório, impensável à época, é a proposta da divisão da Alemanha em duas. Neste sentido, não só se veio a revelar premonitório, como, mais importante ainda, extremamente actual.

Estamos hoje a viver o terceiro grande assalto alemão à Europa, no prazo dum século. "Imperialismo" é uma palavra sempre à mão de semear, mas soa de forma estranha, quando reparamos que os seus altos-sacerdotes, e não só pelas suas motivações religiosas, estão mais próximos dos ayatollas iranianos do que do "Não voltaremos a Canossa" de Bismarck. Não sei que nome lhe dar, e é irrelevante. Desde o início deste século, esta Alemanha está claramente a viver acima das nossas posses. E não é por acaso que tantos dos seus quadros de topo tenham tido origem no aparelho de estado da República de Pankow. Afinal os soviéticos tinham razão: os perigos do revanchismo alemão eram bem reais, eles apenas identificaram erradamente as suas origens.

Os Huguenotes da Prússia detêm hoje um poder enorme. Parte desse poder é de origem difusa, resultante do domínio das Internacionais Financeiras em tanto do Mundo; parte é estritamente europeu e não se constrói sem traidores. As declarações duma de-putada do PSD, hoje mesmo, durante a discussão das moções de censura, na AR, são quase demasiadamente más para terem ocorrido. Ocorreram. Foram aplaudidas. Numa República menos a-bananada, seriam motivo mais do que suficiente para que o Primeiro Magistrado da Nação sobre elas se pronunciasse e sem ambiguidades. Não acredito que essa tomada de posição venha a ocorrer. No fim de contas, o mais certo é que Aníbal Cavaco Silva também esteja a ser pago pela Troika.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:44


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Anónimo

    Muitas pessoas disseram que os hackers invadiram d...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO DE HACKING GENUÍNO E...

  • Anónimo

    QUERO HACKEAR UM BLOG!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Anónimo

    oi me explica mais siobre isso

  • Anónimo

    Necesita un préstamo urgente para revivir sus acti...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO GENUÍNO E PROFISSION...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog