Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A pegada não morreu; apenas deslocámos a maior parte das nossas pegadas para o facebook. Enorme pecado, bem sabemos; mas por estes instantes, em que o tempo não abunda, é mais fácil interagir e publicar ali. Esta nossa casa não desaparece; será sempre a referência principal e o lugar das pegadas mais profundas. No entretanto, e quando não nos virem por aqui, é porque estamos aqui:pegadabook. Cliquem no link (não é necessário ter facebook para ler, apenas para comentar) e/ou façam like acima. A todos os leitores e ao sapo, que nunca nos falhou, pedimos desculpa. É coisa de momentos; a pegada será sempre aqui. Aqui é a regra, este anúncio não revela mais do que uma excepção. Já agora, e também no facebook, mas numa onda diferente -- e em que todos os leitores podem ser autores --, visitem o ouvir & falar.

 

 



Os jornalistas que assistem e os jornalistas assistentes

por Rogério Costa Pereira, em 16.08.10

A letra da lei pode ser errónea (eu não acho, mas dou de barato por uma questão de raciocínio), e é certo que grande parte das leis que nos regulam perdem o espírito na letra. Não tenho a menor dúvida, ninguém de bom-senso a terá, que não era pretensão do legislador, ao consagrar a figura do assistente, permitir que um jornalista, nessa qualidade, se constituísse como tal. O que me espanta não é o jornalista em causa ter requerido a constituição como assistente (atirou o barro à parede…), o que verdadeiramente me espanta é o juiz da causa não ter tido o discernimento de lho negar (…e colou). A fazer jurisprudência, a peregrina iniciativa, doravante todo e qualquer jornalista poderá constituir-se assistente num qualquer processo penal (e são uns milhares, os jornalistas e os processos). Esta é a questão. A liberdade de informação não justifica esta notória subversão – nem a questão pode ser colocada assim. O jornalista não tem de o saber, e sabendo-o não tem de se auto-censurar. Esse papel cabe ao juiz (e sempre me pergunto que raio terão dito os arguidos quando o juiz os notificou da pretensão em causa). Tendo em conta a confissão das reais intenções, e porque o juiz não se deve limitar à letra da lei (ainda que eu entenda que ela é bastante para negar o requerido ao jornalista em causa), é óbvio o que se deveria seguir. A figura de assistente, como a Isabel bem explicou, não foi pensada para isto. Dando de barato que o magistrado não se apercebeu das reais intenções do singular interveniente processual, não há agora qualquer desculpa para que lhe permita a manutenção daquele estatuto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:43


5 comentários

De António Parente a 17.08.2010 às 00:19

Com o teor deste post concordo. A questão está bem colocada e encarada da forma como penso que o deve ser. Se o juiz tivesse negado a pretensão do jornalista nada havia a criticar. Tinha interpretado a lei no sentido em que os juristas a fazem - o famoso "espírito" - e aplicou-a. Se revogar o estatuto de assistente ao jornalista com base no conhecimento das suas intenções também nenhuma crítica há a apontar. Parece-me correcto de acordo com o "espírito" da lei.


Insurjo-me apenas contra as críticas ao jornalista que se limitou, dentro do quadro legal existente, a requerer um estatuto que lhe permitia um acesso célere a um processo que por envolver governantes pode ser considerado de interesse público. Se respeitou o segredo de justiça e não publicou matéria que possa constituir uma espécie de julgamento popular aos visados no processo nada há a apontar no seu comportamento. É a minha opinião.

De Rogério Costa Pereira a 17.08.2010 às 01:14

António: o teor do meu post limita-se aos aspectos jurídicos da questão. o "não tem de se auto-censurar" não implica que o jornalista não o devesse ter feito, mas isso já são contas de outro rosário. Caberá ao jornalista e a quem o regula aferir dessa questão. O que eu quis dizer é que qualquer um de nós poder requerer, em qualquer processo, o que bem entender. Caberá ao juiz fazer as destrinças e condenar nos respectivos incidentes processuais a que se tiver dado causa. E não acho que, por isto, o jornalista não possa (e deva) ser criticado. Aliás, é bem vinda a iniciativa, para que a coisa não se repita. Porque não pode repetir-se.

De Rogério Costa Pereira a 17.08.2010 às 01:17

E mais uma coisa, para que fique claro: não é necessário mudar uma vírgula à lei.

De Isabel Moreira a 17.08.2010 às 10:21

claro que não. e gostava de ler o despacho que autorizou a constituição de assistente.

De António Parente a 17.08.2010 às 13:26

Parece-me que agora estamos todos de acordo. Por mim, assunto encerrado.

Comentar post



página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Dobrý den, pan / paní úvěr nabízí cenově dostupnou...

  • Anónimo

    Você precisa de algum serviço de hackers? Você est...

  • Anónimo

    Potřebujete si půjčit a selhat v bance?  Máte...

  • Anónimo

    Nabízím nízkou úrokovou sazbu výhodnější než u ban...

  • Anónimo

    SE VOCÊ PRECISA DE UM SERVIÇO GENUÍNO E PROFISSION...

  • Anónimo

    here is no pleasure in being poor, you have to be ...

  • Anónimo

    Você precisa de algum serviço de hackers? Você est...

  • Anónimo

    here is no pleasure in being poor, you have to be ...

  • Anónimo

    Olá você precisa de um serviço de hacker profissio...

  • Anónimo

    Conseguir um empréstimo legítimo sempre foi um gra...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog