Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Poesia ao nascer do dia - Joaquim Pessoa

por Luis Moreira, em 06.11.11

Olho em volta. Vejo esticar mais o braço do que a manga.
É uma mecânica vital. As ideias, em roupa interior,
repugnam nas respostas dadas a falsas perguntas.
Vejo gente devotada à autocompaixão. Vejo as obras completas
de um velhaco qualquer especialista em audácias,
génio de uma raça que partiu e ainda não voltou das índias.
Uns momentos antes de ser tocado pela varinha mágica inspiradora,
o ministro sobe à tribuna. E logo a cultura desce à cave e as
coisas permanecem como estavam.
Olhar por olhar, sigo o pombo que sobrevoa a praça,
acompanhando os pezinhos rápidos, de cabra, de um dos amores de Cesário,
e os meus olhos perdem-se e só se encontram no infinito.
Tudo tem um rumo, menos o olhar: vai, longamente vai,
ora esquivo, ora penetrante, demoradamente rápido,
atento e inquietante, saltitante ou lascivo, continua,
percorre, perde-se, concentra-se, até se transformar em pensamento.
Às vezes, olhar dói. E como dói olhar os inquiridores
deste processo inquisitório a que chamas vida.
Olha-me bem nos olhos. Olha, sem paixão, no fundo dos meus olhos,
e que vês? Apenas um homem que se orgulha
da sua espinha dorsal. Subversivamente amante do amor,
despudoradamente amigo dos amigos, como se vivesse
com todos na mesma casa. Um ser inquieto
por tanta quietude. Um animal metido à força
num filme de aventuras, personagem literário plantado num campo de golf,
convertido em mera verbalidade. Segura
as minhas mãos. Sente-as. Não vamos conversar sobre literatura,
somos donos de nós, é sobre coisas velhas que vamos construir
todas as coisas novas das nossas vidas. Não me peças
que seja um charlatão invisível ou que cometa abusos, por honestos que sejam.
Cada história é um poço de pequenas histórias
e a pele é um mapa de todas as histórias. Tentemos
a normalidade. As pessoas normais nunca sabem que o são
e as anormais não têm consciência de o ser. Por isso
nos resta o olhar. Viaja então por dentro do meu corpo,
percorre as florestas e as praias que há em mim,
navega este bocado de distância. Para o fazer,
basta respirar. Só ver para lá do amor
é de todo impossível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:00


1 comentário

De Maria Duarte a 06.11.2011 às 11:53

Como eu gosto do Joaquim. 

Comentar post



página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Meu nome é Valeria Marco. Há 6 meses atrás, meu ne...

  • Anónimo

    ENTRE EM CONTATO PARA TODOS OS TIPOS DE TRABALHO H...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço genuíno de hackers ...

  • Anónimo

    ENTRE EM CONTATO PARA TODOS OS TIPOS DE TRABALHO H...

  • Anónimo

    OLÁ, você precisa de um serviço de hackers? Você e...

  • Anónimo

    OLÁ, você precisa de um serviço de hackers? Você e...

  • Anónimo

    ENTRE EM CONTATO PARA TODOS OS TIPOS DE TRABALHO H...

  • Anónimo

    Olá, você precisa de um serviço de hackers profiss...

  • Anónimo

    Você está em busca de um serviço de hacking confiá...

  • Anónimo

    They are all scammers, they will make you pay afte...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog