Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O espelho

por Rogério Costa Pereira, em 26.06.10

Não havia de ser nada. Afinal, já se ia habituando. Há mas é que dormir – fechar os olhos em faz-de-conta, que esta raça não dorme. Amanhã, as chaves haviam de voltar-lhe ao bolso. Já não era a primeira vez que os maus lhe faziam dói-doi. Aqueles aplausos mudos – mas se ele os via? – faziam-lhe salto alto. Andas (daquelas que permitem caminhar acima do solo) no espírito de um anão. Havia de lhe voltar tudo; a ele, que havia estudado na terra-do-nunca (tinha fotos que provavam a sua proximidade material aos irmãos iluminados, daqueles que não há cá).


Torpor, próximo das horas em que os homens dormem.


Canta o galo.


Ergue as pálpebras com alívio por mais aquelas horas que se tinham ido e esfrega os olhos. Sentia-se como novo. Arrastou-se (a coluna fazia-lhe falta) até à casa de banho e, com o piaçaba, esfregou os dentes na água da sanita, como sempre fazia desde a identificação plena que naquele sabor podre o seu permanecer havia encontrado.


Olhou-se e viu azulejo. No espelho da mamã – presente de aniversário – viu apenas a parede fronteira. Papel de parede a fingir azulejo. Virou à direita. À esquerda, depois. Enganava-se muitas vezes e se havia alguém a quem o admitia era ao seu amigo espelho-da-mamã. Procurou. Esfregou-se – e aos olhos. Viu de viés a moldura do espelho. Estava no primeiro sítio onde se havia olhado. Inspirou fundo e expirou de encontro à palma da mão para saborear o bafo – aquele som a merda que o mantinha vivo e lhe dava fomes. Ergueu-se do chão de alcatifa, onde repousavam minúsculos os seus contumazes irmãos acarídeos, e tentou de novo. Nada! Mais daquele amarelo eterno.


Estás estragado, marrano, viraste-te contra mim. Também tu. Dá-me as minhas cores pálidas de volta ou arrisco os sete anos de má-fortuna. À mamã digo que te encontrei assim.


Foi tomar os comprimidos, esperou pela moca, e voltou. Devolveu-lhe mais amarelo, o amigo da onça. Traidor.


Queixo-me à mamã, espécie de vidro mal parido, que este ser e não-ser não é razão para me negares. São cá coisas entre mim e deus-nosso-senhor-virgem-santíssima.


(Foi pedir conselhos aos inimigos dos seus inimigos, que amigos era coisa que não tinha)


Voltou cheio de unhas.


Devolve-me o meu reflexo!, ordenou.


(mais amarelo)


Arrancou-o da parede (contigo posso eu) e arremessou-o contra o linóleo roto atrás do bidé onde de noite se abluía e por donde já se erguiam ervas-daninhas (era o seu jardim possível); aquele chão que a moderna alcatifa não tinha conquistado (a mamã havia consentido, ordenando àquele homem, belo e hábil de mãos, para ali não chegar – atrás do bidé).


Antes de morrer, cortados os pulsos num estilhaço rombo do judas que imaginou partido, ouviu o espelho (continuava integro na parede) dizer: teve de ser. Tive que ser, fazer por mim, que um espelho é feito para mudar o reflexo que oferece à velocidade mansa dos anos que passam. E anos não são dias, como tu me fazias crer. Passavas demasiado depressa. Dou imagem a homens, lamento; um ser como tu que um dia é lusco (ao menos) outro dia é fusco não me devia ter violado dessa forma.


Devias ter-te limitado aos deleites que te davam o teúdo e manteúdo buraco de tijolo que guardas debaixo da almofada. Arriscaste-me a essência.


Lamento. Pela tua mamã.


(também aqui)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 03:08


13 comentários

De Marco a 26.06.2010 às 04:23

Muito bom, como é habitual. À hora do costume. Obrigado!

De José Dias a 26.06.2010 às 11:26

Não tenho pontos de apoio para uma interpretação segura deste texto. Se calhar também não era importante. Segura é a sensação de murro no estômago, angústia de que esta ficção corresponda a muitas realidades, desespero de chocar, um dia destes, com uma situação limite que não nos deixe alternativas. Parabéns.

De maloud a 26.06.2010 às 12:14

Lamente também por mim que vivo no Porto. Não há ETAR que aguente aquela viscosidade fétida.

De José Viegas a 26.06.2010 às 13:40

Uma confissão tudo lavará. Haja fé posto que já houve santos piores. Santa Madre Igreja. Todo teu.

De Rogério da Costa Pereira a 26.06.2010 às 15:27

Obrigado. E digo-lhe o mesmo: à hora do costume, o seu comentário. Isto começa a ter piada.

De Rogério da Costa Pereira a 26.06.2010 às 15:30

Isso de interpretar textos não é coisa que se faça. Murro no estômago levei eu, que escrevi metade do texto, no telemóvel, durante um espectáculo de ballet. Cheguei a casa e népias. Foi-se. O outro espelho era diferente. Obrigado.

De Rogério da Costa Pereira a 26.06.2010 às 15:31

Não veja aqui ninguém, que está aqui demasida gente. Até eu.

De Rogério da Costa Pereira a 26.06.2010 às 15:32

Anjos com trombones?

De Marco a 26.06.2010 às 16:36

Serei eu mais um alter-ego de RCP? Também sou sportinguista, vivo em região montanhosa...

Temos que fazer aí uma jantarada dos alter-ego todos, se bem que, a acreditar nas teorias, seria um jantar bem solitário... ;)

De Isabel Moreira a 26.06.2010 às 18:28

nada a acrescentar, querido. porra..

Comentar post


Pág. 1/2



página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Ruth Breen

    It still feels incredible that my life has changed...

  • Anónimo

    Obtenha um cartão ATM em branco e dinheiro Bom di...

  • Anónimo

    Offre de prêt rapide et sérieuseLes informations s...

  • Anónimo

    Waow this is unbelievable, it is my first time to ...

  • Anónimo

    I am a veteran with the world trade organization h...

  • Anónimo

    Olá, Você precisa de um empréstimo de emergência p...

  • Anónimo

    Você busca fundos para pagar créditos e dívidas?{g...

  • Pito

    Oferta de crédito internacional,WhatsApp: +3519107...

  • Pito

    Oferta de crédito internacional,WhatsApp: +3519107...

  • Anónimo

    Precisa de um empréstimo? Empréstimo comercial? Em...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog