Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Léxico e propaganda

por Francisco Clamote, em 01.03.12
Excerto de mais um excelente texto de José Vítor Malheiros publicado anteontem na edição impressa do "Público" (sem link), com o título "O Léxico autorizado":
"(...) Uma grande parte da política passa por criar e tentar impor na arena social, na imprensa, no debate político, determinadas visões do mundo - determinadas narrativas -, como bem sabem os mestres da propaganda. Mas essas narrativas são construídas por palavras e, quando determinados termos se impõem, há narrativas que se organizam quase naturalmente à sua volta.
Tomemos a "ajuda". "Ajuda" é uma coisa boa. Todos gostamos de ajudar, todos gostamos de ser ajudados. Não é fácil criar uma narrativa onde o mau da fita é alguém que "ajuda". Quem ajuda é, forçosamente, nosso amigo.
E como apareceu a expressão "ajuda financeira"? De facto, aquilo que designamos por "ajuda financeira" é, simplesmente, um empréstimo. E empréstimo é não só uma expressão mais correcta como mais neutra. Sabemos isso porque há empréstimos que nos aliviam e outros que nos entalam. É possível criar narrativas diferentes à volta da expressão "empréstimo". Posso dizer "aquele empréstimo permitiu-lhe salvar a empresa" ou "o que o levou à falência foi aquele empréstimo". Posso dizer que o "empréstimo negociado com a troika tem um juro usurário", mas já não o posso dizer se lhe chamar "ajuda". As palavras não deixam. Um "resgate" também é uma coisa boa. Salva-nos. Não é possível dizer nada de mau de quem nos resgata. (...)"
***
Curiosamente, na mesma data, referi-me, noutro local, a exemplos de uso das palavras para criar narrativas que, não correspondendo à realidade, têm a virtualidade de a esconder. Referia-me, na altura, ao ministro Gaspar (das Finanças) e ao ministro Álvaro (da Economia). Depois disso, o secretário Moedas voltou a usar da mesma técnica. Disse ele (Moedas) que a economia portuguesa se está a "ajustar rapidamente". "Ajustar", como diria o José Vítor Malheiros, é uma coisa boa. Quem é que não gosta que as coisas se ajustem? Porém, se Moedas dissesse que "a economia portuguesa está a contrair-se mais do que o previsto", como acontece na realidade,  já seria, como é evidente, uma coisa má.  
Isto só para dizer que os actuais governantes podem não saber como fazer crescer a economia; podem não conseguir conquistar a confiança dos mercados, mas de propaganda sabem eles. Muito. O país, nós todos, é que não ganhamos nada com isso. Só perdemos em ter estes "artistas"como governantes.
PQP! (Leia-se: Pois que partam)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:29


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Aboubacar Aboubacar Sacko

    Se você precisar dos serviços de um hacker ético c...

  • Anónimo

    OLÁ!!! Você é um homem ou uma mulher? Você precisa...

  • Anónimo

    Se você precisar de um serviço de hackeamento prof...

  • Anónimo

    Ile é conectado como o controle de acesso à Intern...

  • Anónimo

    Eles são conhecidos como os onipotentes gurus da I...

  • Anónimo

    Se você precisa de um serviço de hackers genuíno e...

  • Anónimo

    Olá pessoal, você precisa de serviços de hackers?E...

  • Төлөгөн Аимэшхан

    Você precisa de algum serviço de hackers? Você est...

  • Anónimo

    Muitos QUEREM SER HACKERS ON-LINE Cuidado com os a...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  



subscrever feeds