Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Irão sem fronteiras

por Rogério Costa Pereira, em 19.06.09

Há quem ainda não tenha percebido que a questão que se coloca não é escolher entre Mousavi e Ahmadinejad. Não faço a menor ideia se um é não é o outro ao espelho, se houve ou não chapelada nas eleições. A verdadeira questão, e única - e que está bem patente em tudo o que a Palmira tem escrito nos últimos tempos, é que estamos por estes dias a assistir ao fim de uma era - e não será só à de Ahmadinejad. É bem mais que isso. Quem quer que venha a seguir, depois dos acontecimentos dos últimos dias, virá sob novas condições, com novas regras. E não há Líder Supremo ou Conselho de Anciãos que contra isso possa lutar. Este é o acontecimento, este é o motivo de tanta exaltação, este pode ser o princípio de um novo mundo, porque o Irão dos tempos que correm não tem fronteiras. Ou isto pode ser simplesmente um exagero da minha parte. A ver vamos. E claro que a ascensão de Obama e do seu discurso nada têm a ver com o que está a acontecer, dirão alguns. Afinal, há mesmo coincidências, dizem os mesmos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:18


10 comentários

De João Galamba a 19.06.2009 às 11:16

Se eu fosse o Vidal falaria de fidelidade ao evento, de Badiou e da negatividade de Zizek...

De Rogério da Costa Pereira a 19.06.2009 às 11:20

Se tu fosses o Vidal e me falasses assim eu não te saberia responder.

De viana a 19.06.2009 às 11:21

Concordo. Mas vou mais longe. O que é mais novo no mundo que se desdobra perante nós não se restringe ao Irão, nem tem (directamente) a ver com a exigência de democracia ou liberdade de expressão (no Médio Oriente). O que é mais novo são as consequências da conectividade, da velocidade a que informação e desinformação hoje se propaga. A coincidência temporal da ascensão de Obama e dos protestos no Irão, na minha opinião, têm mais a ver com isto do que com uma possível influência do seu discurso (que de qualquer maneira é importante, porque permitiu quebrar a mentalidade de cerco que as autoridades iranianas promoveram no país sob o pretexto da ameaça externa). Não é claro quais vão ser as consequências do aumento exponencial de conectividade ocorrido nos últimos anos. Para já são os resultados parecem positivos (derrube de Aznar , eleição de Obama , contestação ao regime iraniano), mas talvez não devamos esquecer que a forte recessão económica por que passamos resulta em parte da rapidez com que perturbações se propagam na economia mundial. E isso é consequência directa da conectividade entre os agentes económicos. Temo acima de tudo a capacidade de geração de instabilidade que a conectividade permite: desinformação e rumores podem chegar a tal número de pessoas em pouco tempo, que passam a podem ser suficientes para gerar conflitos dos quais geralmente sai a ganhar não quem tem "razão" mas sim quem tem poder. Mais do que nunca torna-se importante promover o cepticismo construtivo, pois nunca a credulidade foi tão perigosa nas suas consequências.

De Luís Lavoura a 19.06.2009 às 11:24

Pois eu diria que o futuro a Deus pertence e que há por aqui exaltação revolucionária a mais, fé a mais, e "princípio de um novo mundo" a mais.

De Rogério da Costa Pereira a 19.06.2009 às 11:34

Parece-me que quem diz "que o futuro a Deus pertence" acrescentando logo a seguir que que "há por aqui exaltação revolucionária" não podia ser mais coerente - mas na perspectiva errada. De resto, a questão Deus vs Revolução até se aplica bem ao caso vertente, mas não era a isso que V. se referia.

E que se saiba, Deus não tem mudado assim lá muito o mundo, os homens, para o bem e para o mal, sim.

De jorge c. a 19.06.2009 às 11:37

Este palerma agora também percebe de política internacional?

Ah, não! Vem só armado em Guarda Abel, o protector das senhoras da casa! Que coisa tão paternalista e deprimente! Nem sei como as feministas desta casa aceitam... O mundo é espantoso!

De Rogério da Costa Pereira a 19.06.2009 às 11:41

Como dizer isto de forma a perceberes? Talvez a culpa deste teu comentário seja minha.

De jorge c. a 19.06.2009 às 11:42

De facto, é.

De FuckItAll a 19.06.2009 às 11:55

:)

De Inês Meneses a 19.06.2009 às 12:01

amém - ao post e a esta advertência do viana. Também acho que, goste-se ou não, estas são as circunstâncias actuais, ou nos adaptamos a elas ou "morremos" delas.

Comentar post



página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by ...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...

  • edwin roberto

    I am Edwin Roberto and a construction engineer by...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog