Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A pegada não morreu; apenas deslocámos a maior parte das nossas pegadas para o facebook. Enorme pecado, bem sabemos; mas por estes instantes, em que o tempo não abunda, é mais fácil interagir e publicar ali. Esta nossa casa não desaparece; será sempre a referência principal e o lugar das pegadas mais profundas. No entretanto, e quando não nos virem por aqui, é porque estamos aqui:pegadabook. Cliquem no link (não é necessário ter facebook para ler, apenas para comentar) e/ou façam like acima. A todos os leitores e ao sapo, que nunca nos falhou, pedimos desculpa. É coisa de momentos; a pegada será sempre aqui. Aqui é a regra, este anúncio não revela mais do que uma excepção. Já agora, e também no facebook, mas numa onda diferente -- e em que todos os leitores podem ser autores --, visitem o ouvir & falar.

 

 



yes THEY can

por Rogério Costa Pereira, em 28.08.13

− Onde fica a guerra de 2013?

− Na Síria, pá.

− Quando?

− "yes we can"

− Mas não era preferível uma missão humanitária? Ainda que de pés bem assentes na terra? 

− "yes we can"

− Era, então, possível fazer as coisas doutra forma, certo?

− "yes we can"

− És uma desilusão, sabias?

− "yes we can"

− É a cena dos senhores da guerra, certo?

− "yes THEY can"

− E se te fosses empalar?

− "yes I can"

− Não tens vergonha na cara?

− "No, I can't"

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15


A Laranja Mecânica e a Vida

por Rogério Costa Pereira, em 13.07.13

 

A Laranja Mecânica é um paradoxo. Pode ser visto do lado de lá (o mais fácil, o dos brutos) ou do lado de cá. É, de longe, o filme da minha vida. Nunca olhei para ela pelo redutor buraco da fechadura de quem espreita a violência gratuita − e só uma besta que busca um espelho (ou alguém desatento) o pode ver como tal. Não vejo no Alex a troika que ora nos atenta (mas vejo), não vejo no Alex um proto-fascista (mas vejo). E essa é a magia que dela emana; esta aparente contradição − não foi à toa que coloquei o de somenos entre parêntesis. Imagino que muita da vilanagem que nos atenta, tivesse ela tempo para ver o filme entre a colagem de cartazes e o esmagamento do povo, o veria como um hino ao statu quo. Eu sempre vi na obra-prima de Kubrick uma metáfora da opressão que urge ser extirpada. A parte da Laranja Mecânica (nem de propósito) é deles, já o conduto que não se desvela em letras de título é todo nosso. A Laranja Mecânica não se ensina, nem se vende. Vive-se. E não vejo ali a ultra-violência que o próprio realizador usou como mote. Há o imediato e há o mediato. Esta cena que escolho e encima o post é a minha ideia do que Kubrick realmente quis dizer (e ainda que não). E não adianta dizer que estou errado; trata-se da minha Laranja Mecânica. Relembrar-me a cena da violação (que estética e realmente me arrepia e enoja) não me demove (vejo-a não como a violação da mulher e do homem, mas como uma violação da burguesia; e não me interessa o que o realizador foi, quis ou pensou -- deixou de ser dele assim que lhe saiu das mãos). A Laranja Mecânica é nossa, não é deles. Não se trata aqui de saber quem é o dono da criatura, ou do que pretendeu o criador, mas de quem consegue ver além das cruas imagens. A Laranja Mecânica é um paradoxo objectivo, concedo nisso. E, por isso mesmo, é o meu filme. E este sujeito assim o vê. Assim o vi sempre (e imagino que ninguém me veja nos sapatos do Alex criatura ou do Alex criado). A violência, ali, não é a agressão ao mendigo, não é a violação de uma mulher. Tudo se encaminha para uma “reabilitação” forçada e frustrada. E essa é a pedra de toque. Mas o mau não pode reabilitar o péssimo. E o Alex demonstrou-o. O filme, para quem não o consiga ver direito, deve ser visto às avessas. A Laranja mecânica é um filme de violência – e não me contradigo – em que o mau não deve ser visto como o vilão, mas como um placebo (e já concedo na ausência medicamentosa) reactivo à maligna sociedade activa. O homem nasce bom ou nasce mau? E é desviado ou educado pela sociedade? O Alex é apenas o Alex. E a cena que encima este cadáver é a única parte óbvia do filme. E não é por acaso que assim é. É um filme de guerra e paz. Assim o vejo, como de guerra e paz me vejo a mim. Esta é a minha Laranja Mecânica, não é a vossa. Por lógica não admitiria o contraditório, e nem publicaria esta coisa. Mas escrevi-a e, naturalmente, vou publicá-la. “Welly, welly, welly, welly, welly, welly, well. To what do I owe the extreme pleasure of this surprising visit?” Esta pantomina de letras é dedicada ao meu grande e velho amigo de sempre, João Bernardo, a quem a Laranja Mecânica que é a vida ousou tentar roubar o sublime riso; riso que ele, com a sua majestosa gargalhada, já logrou recuperar. Ou não fosse a vida uma Laranja Mecânica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:08


crónica de uma morte anunciada

por rui david, em 22.03.13

A catástrofe é eminente e não vejo meios de conjurá-la.
Vem-me também à memória a Crónica de Uma Morte Anunciada do Garcia Marquez.
Os adversários do determinismo histórico têm tido a oportunidade de ver desenrolar-se à sua volta nos últimos dois anos um processo cujo desenvolvimento é conhecido de todos, salvo, aparentemente, alguns dos seus principais protagonistas, mas que é inexorável.
Inúteis os milhões de estudos sobre exemplos idênticos noutras épocas, divulgados numa escala nunca antes imaginada.
O rumo está traçado. E não se limita à alegada "destruição criativa" dos "mercados". Começa a assumir contornos que põem novamente em cena a solução última para os problemas criados pela acumulação excessiva: a guerra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:32


A Alemanha que não desiste de dominar a Europa

por Luis Moreira, em 14.05.12

Veja este vídeo impressionante de um médico Alemão. Neto e filho de combatentes nas Guerras que a Alemanha iniciou. O cartel da indústria química e farmacêutica tem os seus mandantes em Bruxelas e a senhora Merkel em Berlim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35


É urgente uma acção militar na Síria

por Luis Moreira, em 05.03.12

Milhares de mortos e feridos, um estado contra a sua própria população, será preciso mais para que o Ocidente lance uma acção militar limitada mas definitiva na Síria?

Os assassinatos em massa são assuntos internos da Síria?

O antigo primeiro-ministro francês Dominique de Villepin, candidato às próximas presidenciais, afirmou este domingo que é altura de "pensar numa ação no terreno" na Síria, admitindo "ataques cirúrgicos" contra o regime de Bachar al-Assad.

"É tempo de atuar de forma determinada, com a Liga Árabe, para criar uma equipa de intervenção humanitária", disse Villepin, convidado do jornal da noite do canal de televisão pública France 3 e citado pela agência AFP.

Villepin adiantou que não basta dizer, é preciso fazer, torna-se necessário um calendário.

"Vamos dar algumas semanas à comunidade internacional para atuar e preparar uma alternativa de ataques cirúrgicos", referiu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

As guerras mundiais (militares ) mataram, na Europa, cada uma delas, 70 milhões de seres humanos. Estava relançada a economia sem por em causa os recursos necessários à vida dos que têm o dinheiro todo mas correm o risco de não ter água para beber. Agora a guerra ( económica) é pelo crescimento Zero. Morrem mais uns milhões em África como sempre morreram e mais uns milhões na China, na Índia, no Paquistão.(é o ocidente que produz em grande parte os alimentos). Apenas quinhentas empresas no Mundo, controlam mais de 80% do comércio internacional de víveres!
Dizia-me o guia na China : diz lá no Ocidente que aqui na China temos três prioridades : dar de comer à população - matar a fome - matar a fome!
PS: a China tem 21% da população mundial e 7% da terra arável!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:50

Ninguém liga nenhuma mas a verdade é que os Estados Unidos estão preparados para dar luz verde a Israel. Por enquanto há que dar tempo para ver se as sanções contra o Irão fazem ou não mossa a um país que já está em má situação económica e política. É, claro, que não serão estas sanções que vão fazer que as autoridades abandonem o programa nuclear e é precisamente isso que americanos e israelitas esperam para atacar.

Basta um ataque limitado para atrasar uma década o programa e para ter esse resultado não é necessário o envolvimento de tropas no terreno.

"A Casa Branca quer ver as sanções a funcionar. Isto não é a Casa Branca dos tempos de Bush. Não precisamos de outro conflito", disse um responsável, conhecedor da política do Médio Oriente. "O problema é que os tipos em Teerão estão a comportar-se como se as sanções não tivessem importância, como se a economia deles não estivesse à beira do colapso, como se Israel não fosse fazer nada."

Isto já não é o tempo de Bush...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00

Especialistas militares já não têm dúvidas, a guerra para impedir que o Irão chegue à bomba nuclear já começou. De forma limitada, atrasando o programa eliminando cientistas-chave e ou estruturas nucleares.

"Especialistas militares avaliaram, nesta quinta-feira, que a guerra entre o Irã e os EUA já começou, a julgar pelo movimento de tropas na região e os últimos acontecimentos no cenário montado pelas nações ocidentais no Golfo Pérsico. Fontes ouvidas pela agência espanhola de notícias RicTV atestam que, agora, “é apenas uma questão de horas para o início do conflito armado”. A morte do cientista iraniano em um atentado foi, segundo analistas, um ponto decisivo para o agravamento do quadro de confronto entre as forças norte-americanas, israelitas e do Irã."

O assassinato de um cientista esta semana no próprio país mostra que há forças Israelitas  no interior do Irão! Para o ocidente e principalmente para Israel um Irão com capacidade nuclear é um pesadelo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00


Os Ayatholas "irão" para a guerra?

por Luis Moreira, em 01.12.11

Andamos todos à volta da crise na Europa e nos Estados Unidos mas há um país que não pára e que aproveita a ocasião. Está cada vez mais perto de conseguir a bomba atómica e não parece que a diplomacia consiga que se abstenha desse objectivo.

Com as revoluções árabes muita coisa está a mudar umas a favor do Irão outras contra. A favor, estão as populações que saíram para a rua. No caso de um ataque de Israel essas pessoas verão nesse ataque uma afronta a um país árabe e, isso, pode mudar tudo.

Os países árabes do Golfo querem o Irão nuclear o mais longe possível e apoiam Israel. Os Estados Unidos têm as eleições Presidenciais que aconselham os americanos a não se meterem em aventuras. Diz quem sabe que dificilmente Israel conseguirá destruir toda a indústria nuclear Iraniana só com ataques aéreos.Ora o Irão é um imenso país com um exército poderoso e tem mísseis e ogivas que alcançam Israel e mesmo a Europa.  

Mas um Irão nuclear é algo que Israel e os Estados unidos nunca aceitarão e hoje já não há dúvidas que é uma questão de tempo.

Estamos à beira de um ataque Israelita aéreo limitado mas que atrasará, inevitavelmente, a estrutura industrial nuclear Iraniana.

Esta guerra será mais uma machadada na economia mundial e, particularmente, no Ocidente.

PS: o jornal (i) informa que Israel atacou uma fábrica e uma estrutura nuclear no Irão!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00


 

 

 

 

 

 

 

Autores

Alexandre Santos facebook LM

Ana Bento facebook Ana Bento

António Leal Salvado facebook LM

Quadratim

Célia Correia facebook Célia Correia
Filipe Figueiredo facebook Filipe Figueiredo
Francisco Clamote facebook FC

Terra dos Espantos

Hélder Prior facebook Hélder Prior

Herculano Oliveira facebook Herculano Oliveira

João de Sousa facebook João de Sousa

Ergo Res Sunt

João Moreira de Sá facebook JMStwitter Arcebisbo

Arcebispo de Cantuária

Micro Cuts

Lu Pelejão Eusébio facebook Lu Pelejão Eusébio

Luis Grave Rodrigues facebook LM twitter LGR

Random Precision

Diário de uns Ateus

Licínio Nunes facebook Licínio Nunes

Manuel Tavares facebook Manuel Tavares

Maria Helena Pinto facebook Maria Helena Pinto

Maria Suzete Salvado facebook MSS

robe de soir

Pedro Figueiredo facebook Pedro Figueiredo

Rogério da Costa Pereira facebook LM twitter RCP

O homem-garnisé...

cadáveres esquisitos

rui david facebook LM twitter rui david

Bidão Vil

itálicos

Arquivo

 

Adriano Pacheco

Ana Paula Fitas

António Filipe

Ariel

besugo

Catarina Gavinhos

Cristina Vaz

Fátima Freitas

Fernando André Silva

Isabel Moreira

Isabel Coelho

João Mendes

João Simões

lucy pepper

Luís Moreira

Luiz Antunes

Miguel Cardoso

Maria do Sol

Maria Duarte

Maria Mulher

Nuno Fernandes

Rolf Dahmer

Sofia Videira

Xavier Canavilhas


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  





subscrever feeds