Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A pegada não morreu; apenas deslocámos a maior parte das nossas pegadas para o facebook. Enorme pecado, bem sabemos; mas por estes instantes, em que o tempo não abunda, é mais fácil interagir e publicar ali. Esta nossa casa não desaparece; será sempre a referência principal e o lugar das pegadas mais profundas. No entretanto, e quando não nos virem por aqui, é porque estamos aqui:pegadabook. Cliquem no link (não é necessário ter facebook para ler, apenas para comentar) e/ou façam like acima. A todos os leitores e ao sapo, que nunca nos falhou, pedimos desculpa. É coisa de momentos; a pegada será sempre aqui. Aqui é a regra, este anúncio não revela mais do que uma excepção. Já agora, e também no facebook, mas numa onda diferente -- e em que todos os leitores podem ser autores --, visitem o ouvir & falar.

 

 



¿pontos invertidos?

por Rogério Costa Pereira, em 14.09.08
Por causa da minha mais recente tara, anda-se-me aqui a formar uma ideia algo estranha (também elas se atropelam). Alguma alma caridosa terá a arte e o saber para me esclarecer quando e por que forma foram os pontos de exclamação e interrogação invertidos retirados do uso corrente em português? Após meia dúzia de investidas em alfarrabistas (foram duas, para ser rigoroso) e outras demandas, encontrei, até agora, duas teses - absolutamente contraditórias. Antes de avançar mais, gostava de ter a vossa ilustre colaboração, mas adianto já que uma das teses é deveras curiosa e tem implicações ainda mais curiosas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44


14 comentários

De Helena Velho a 14.09.2008 às 22:15

Rogério eu "a d o r o" castelhano!!!verdade! e rio-me imenso quando colegas de profissão me dizem que hoje, ontem ou não sei quando leram a Iohla!(iola!)( é tão giro a ignorância no ensino superior!)e a princesa L fez uma plástica, ou que o Felipe é muito guapo :)
Penso que o Helder Guégués é a pessoa mais indicada para nos dizer( sim, porque agora também tenho curiosidade!). Vou-lhe perguntar e já venho.

Abraço

De Luis Rainha a 14.09.2008 às 23:32

Nunca tal uso foi generalizado ou sequer banal. Talvez como o uso corrente de "módico" enquanto substantivo: e uma importação, não faz lá muito sentido, mas continua a andar por aí.

De /me a 15.09.2008 às 10:42

Ora, se os espanhóis o fazem, nós não o podemos fazer. É uma questão de identidade nacional (pela negativa, está certo). É a mesma razão que explica a nossa economia piorar enquanto a espanhola cresce (ou eles terem boa produção cinematográfica e nós quase nunca, ou terem uma liga de futebol a sério e nós não ou tantos outros exemplos). Não queremos ter nada a ver com os nossos vizinhos.

É uma pena.

De Anónimo a 02.11.2017 às 18:31

Isto já tem quase dez anos, mas para quem vier aqui ter: os diários da Assembleia Nacional usavam pontos de interrogação e exclamação invertidos, até 1945. Ver aqui, por exemplo:

http://debates.parlamento.pt/catalogo/r2/dan/01/03/04/190/1945-07-06/765

Mas na sessão de 7 de Dezembro de 1945, ainda antes de entrar em vigor o novo acordo, já se usava só um ponto de interrogação no fim.

Comentar post


Pág. 2/2



 

 

 

 

 

 

 

Autores

Alexandre Santos facebook LM

Ana Bento facebook Ana Bento

António Leal Salvado facebook LM

Quadratim

Célia Correia facebook Célia Correia
Filipe Figueiredo facebook Filipe Figueiredo
Francisco Clamote facebook FC

Terra dos Espantos

Hélder Prior facebook Hélder Prior

Herculano Oliveira facebook Herculano Oliveira

João de Sousa facebook João de Sousa

Ergo Res Sunt

João Moreira de Sá facebook JMStwitter Arcebisbo

Arcebispo de Cantuária

Micro Cuts

Lu Pelejão Eusébio facebook Lu Pelejão Eusébio

Luis Grave Rodrigues facebook LM twitter LGR

Random Precision

Diário de uns Ateus

Licínio Nunes facebook Licínio Nunes

Manuel Tavares facebook Manuel Tavares

Maria Helena Pinto facebook Maria Helena Pinto

Maria Suzete Salvado facebook MSS

robe de soir

Pedro Figueiredo facebook Pedro Figueiredo

Rogério da Costa Pereira facebook LM twitter RCP

O homem-garnisé...

cadáveres esquisitos

rui david facebook LM twitter rui david

Bidão Vil

itálicos

Arquivo

 

Adriano Pacheco

Ana Paula Fitas

António Filipe

Ariel

besugo

Catarina Gavinhos

Cristina Vaz

Fátima Freitas

Fernando André Silva

Isabel Moreira

Isabel Coelho

João Mendes

João Simões

lucy pepper

Luís Moreira

Luiz Antunes

Miguel Cardoso

Maria do Sol

Maria Duarte

Maria Mulher

Nuno Fernandes

Rolf Dahmer

Sofia Videira

Xavier Canavilhas


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog