Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A pegada não morreu; apenas deslocámos a maior parte das nossas pegadas para o facebook. Enorme pecado, bem sabemos; mas por estes instantes, em que o tempo não abunda, é mais fácil interagir e publicar ali. Esta nossa casa não desaparece; será sempre a referência principal e o lugar das pegadas mais profundas. No entretanto, e quando não nos virem por aqui, é porque estamos aqui:pegadabook. Cliquem no link (não é necessário ter facebook para ler, apenas para comentar) e/ou façam like acima. A todos os leitores e ao sapo, que nunca nos falhou, pedimos desculpa. É coisa de momentos; a pegada será sempre aqui. Aqui é a regra, este anúncio não revela mais do que uma excepção. Já agora, e também no facebook, mas numa onda diferente -- e em que todos os leitores podem ser autores --, visitem o ouvir & falar.

 

 


O "Expresso" de ontem, depois de anunciar em letras gordas na 1ª página, que "Passos quer remodelar o mais depressa possível", desenvolve o tema nas páginas interiores, especulando sobre o quando e o como. A dúvida que me assalta, depois de questionar para que serve a remodelação, é qual é o objecto da remodelação. Dir-se-á que o objecto da remodelação só pode ser o governo. Mas será que este (ainda) existe?
A pergunta, por paradoxal que pareça, é legítima. Assente numa coligação há muito feita em cacos, colados apenas com o "mel do pote", o governo nunca foi mais que uma invenção sem pés nem cabeça, saída da mente dum "rapazola", confirmado agora por gente das suas próprias hostes, como "impreparado". Nada que qualquer olhar atento não tivesse visto há muito, mas realidade hoje evidente até para os mais distraídos. Como é também óbvio e, neste ponto, são múltiplas as análises coincidentes, que tal governo sempre foi disfuncional e nunca passou duma equipa desorganizada e, o que é mais grave ainda, formada por gente que, salvo raras ou nenhumas excepções, não tem gabarito para ocupar uma cadeira ministerial.
Que sentido faz pois falar em remodelação do pretenso governo quando o alegado primeiro-ministro, que o concebeu, tem dado sobejas provas de incompetência e de incapacidade e que tem hoje a sua credibilidade reduzida a zero. Tudo o que ele disser a partir a partir de agora, só pode ser entendido se lido ao contrário. Mas o que se diz do alegado primeiro-ministro pode repetir-se em relação a toda a equipa dita ministerial: Paulo Portas, por muito inteligente que se diga que é, já deu abundantes provas de que não é de fiar; o ministro Gaspar tem a sua competência completamente estilhaçada, pois todas as contas lhe saem furadas, tendo-se revelado incapaz de acertar em qualquer espécie de previsão económica; Aguiar Branco é o que sempre foi, uma nulidade; o Álvaro, desde a primeira hora classificado como "o homem dos pastéis", tem de há muito, colada na testa a palavra "pateta"; a super-ministra Assunção Cristas não passa de mais um super-fiasco ou, se preferirem, duma mosca-morta, porventura, não tanto por culpa própria, mas mais por culpa de quem lhe enfiou nas mãos quatro pastas em relação às quais ela não percebe patavina ; o ministro Mota Soares, "o homem da vespa", agora transportado numa "bomba", não deixou,  por esse facto, de ser o que sempre foi: um zé-ninguém às ordens de Portas, capaz de dizer uma coisa, para logo a seguir, se desdizer, bastando que Portas lhe acene em sentido contrário; o ministro matemático Nuno Crato, que tomou a seu cargo a destruição da Escola Pública, já é mais conhecido por "Erro Crasso" do que pelo próprio nome; a ministra Paula Teixeira da Cruz, pelas posições que tem tomado, quer pressionando o Tribunal Constitucional, quer assegurando o fim da impunidade, com referência a casos concretos, dá provas de que, não obstante ser uma jurista, não faz ideia do que seja um Estado de Direito e revela ter uma personalidade em tudo desadequada ao cargo que ocupa, o de ministra da Justiça, cargo onde é exigível sentido de equilíbrio que é tudo o que ela não tem; o ministro Miguel Macedo está na berlinda desde que foi conhecida a história do subsídio de deslocação que recebia tendo casa em Lisboa e esteve novamente sob a luz da ribalta com a história da "cigarra e da formiga"; Paulo Macedo não se livra da fama de ser o encarregado do desmantelamento do Serviço Nacional de Saúde.
E com isto tudo, estava a esquecer-me de Relvas, o relapso (por via dos muitos "lapsos") mentiroso, que "nunca" pressionou jornalistas e que é  titular duma licenciatura por equivalência. Esquecia-me, é verdade,  mas será que o nosso homem ainda é ministro?
Aqui chegados; pergunto: Haverá em toda esta construção alguma pedra que se aproveite?
Se não é o caso, para quê, remodelar?
Qualquer remodelação, nestas circunstâncias, é uma perda de tempo e não passa duma manobra de diversão.
O povo pode ter tido a distracção de eleger a actual maioria parlamentar e escolhido, de forma indirecta, o tal governo. Não me parece, a crer nas últimas e recentes manifestações, que esteja muito disposto a deixar-se enganar segunda vez.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:56

Em qualquer transformação, ocorre sempre um ponto em que nada parece acontecer e em que tudo muda. Os anglo-saxónicos chamam-lhe "tipping point". A minha tradução fica aquém do sentido original, e por isso fui à procura duma imagem que encerrasse as 998 palavras que me faltam. Estamos, em Portugal e na Europa, a atingir aquele ponto. Estou certo que o emulo de Sísifo que, na imagem, empurra a pedra pela encosta acima, não o consegue antever. Albert Camus adiantou-se à resposta por uns meros dois anos. Não temos hoje qualquer desculpa para a ignorar e para eleger a revolta como única resposta ao absurdo aparente da condição humana: o ponto de viragem (de inflexão, de min-max, de max-min, etc., etc.) é o ponto em que tudo de essencial se define. Há quem pense que este foi o livro mais importante do século XX; há quem pense que chegámos ao dia de hoje porque os líderes das duas super-potências foram educados nas suas conclusões. O que ainda ninguém nos ensinou, foi como lidar com o impulso suicidário das elites de baixa qualidade que, por acidente histórico, estejam no poder quando aqueles pontos se aproximam. Isto apenas faz com que a responsabilidade recaia sobre nós todos, os soberanos. O Povo.

As declarações do Borges que temos, são apenas o episódio mais recente dum facto impensável ainda pelos finais de Agosto: está criado uma unanimidade quase total contra o actual governo. Não nos iludamos, muitos querem apenas que algo mude para que tudo fique na mesma. Entre os adeptos do "refrescar a coligação" e o "[...]gerar riqueza, para pagar dívidas[...]" (sic), do TóZé Seguro, a única diferença são as caras dos protagonistas. Para os restantes, a vasta maioria, este é o ponto de viragem, que define se algo de essencial muda ou se tudo permanece como está. O tempo do NÃO! está rapidamente a esgotar-se, e pelo seu próprio sucesso. A superação faz-se sempre pela afirmativa. Ou então não se faz. De forma claramente Bórgica, mesmo que indubitavelmente mais polida, Bernard-Henri Lévy fez o diagnóstico certeiro da situação. O mais importante — prova provada de que os mestres do pensamento servem sempre para alguma coisa — é que Bernard-Henri Lévy traçou o próprio quadro para a superação dialéctica do dilema que enuncia.



O filósofo francês estabelece a federalização da dívida dos Estados-membros como algo semelhante à Ilha dos Amores, de Camões. A recompensa pelos trabalhos e perigos atravessados; tem razão. Está redondamente enganado. No âmbito da sua própria narrativa, é apenas um Borges letrado. Nunca os Povos da Europa irão aceitar a sua narrativa, sua, da sra. Merkel, de todos os neo-liberais austeritários que o Inferno pariu, ou há-de parir. Continua a ter razão: ou a Europa é capaz de federalizar as dívidas públicas dos seus Estados-membros, ou não tem futuro. Não poderia estar mais errado: esta é uma condição de partida, nunca um ponto de chegada, num futuro mais ou menos vago.

Aquilo que o sr. Lévy não é capaz de fazer, pelo menos não mais do que o nosso inefável e (in)Seguro TóZé, é reconhecer — e dizê-lo — que é impossível pagar a dívida; nem mais nem menos do que satisfazer o pedido do Grão-Vizir. Toda a dívida, num quadro de reservas fraccionárias e de criação monetária pelo crédito, é impossível de ser paga: cresce sempre, exponencialmente. Até a alemã; especialmente a alemã, com os enormes Core Tier I ratios dos seus bancos (barbarismo infame que designa o número de vezes que o montante total dos depósitos dos seus clientes é multiplicado, para atingir o total de créditos concedidos, e sobre o qual são cobrados juros).

O ponto de viragem será atingido quando um Povo da Europa conseguir a coragem ingénua da criança que foi capaz de exclamar "Mamã, o Rei vai nú...", enquanto os (i)(r)responsáveis adultos gabavam as plumagens do manto que não existia. Vejamos as consequências.

Um montante muito apreciável da dívida pública total, dos países da Europa, é detida por credores institucionais. Em boa medida, por outros Estados-membros; Portugal detém parte da dívida grega, como até os gregos detêm parte da dívida irlandesa. É por tudo isto que é incontornável declarar uma moratória a todo o serviço da dívida; e por maioria de razão, essa moratória irá funcionar para o sr. Bernard-Henri Lévi e para todos os loucos suicidários deste continente como na velha maldição chinesa "Que todas as tuas preces sejam atendidas": a dívida pública europeia vai ser federalizada, duma forma ou doutra.

Depois, é preciso que estejamos preparados para lidar com aquele impulso auto-destrutivo para o qual Jared Diamond nos avisou; para a repetição das chantagens execráveis a que os gregos foram sujeitos no início do Verão, e ainda mais. Nunca gostei muito do escudo, mas se tiver que ser, que se dane. Não faço ideia que nome é que os catalães vão dar à sua nova moeda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:25


a esta hora

por António Leal Salvado, em 30.09.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:00


A manif da Inter

por Ariel, em 30.09.12



Quem já foi a uma manifestação da CGTP na vida foi a todas. Quero eu dizer que a manifestação do Terreiro do Paço foi igualzinha a qualquer outra  que tenha ocorrido ao longo dos últimos trinta anos. A manifestação foi grande? foi!. Podia ter sido maior? sem dúvida.! Aliás, devia ter sido muito maior. Só não foi por manifesta incapacidade ligada ao sectarismo cada vez mais presente no discurso de Arménio Carlos. Não há paciência, não há pachorra, com este tipo de discurso não há futuro. Se por um lado a grande força da manifestação de 15 de Setembro foi também a sua fraqueza por falta de uma direcção que guiasse e enquadrasse o protesto, com a CGTP a coisa é exactamente ao contrário, a sua fraqueza é o seu discurso não inclusivo e profundamente dissociado da uma nova realidade laboral, social e económica, completamente diferente da que existia há trinta anos. Acresce uma nota de mau gosto absolutamente lamentável terem chamado para animar a festa os homens da luta, uma vergonha, eu nem queria acreditar. Este nivelar por baixo é indigno.

Resumindo, gostei de lá ter estado, cantei a Internacional, o hino da Intersindical, a Portuguesa, só não ouvi uma única palavra do Arménio Carlos. Infelizmente ele não tem nada para me dizer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 00:10


30 de Setembro: dia mundial da Blasfémia!

por Luís Grave Rodrigues, em 30.09.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:05


David Oistrakh – Violonista russo

por António Filipe, em 30.09.12

No dia 30 de Setembro de 1908 nasceu, em Odessa, o violinista russo David Oistrakh,

considerado um dos mais importantes intérpretes do violino do séc.XX – tão importante que ficou conhecido como “o rei David”.
Ilustres contemporâneos seus, como Khachaturian e Shostakovich, dedicaram-lhe os seus concertos para violino; e Prokofiev fez para ele um arranjo da sua sonata para flauta, convertendo-a na segunda sonata para violino e piano.
Tendo iniciado os seus estudos musicais aos 5 anos, David Oistrakh obteve a formatura no Conservatório de Odessa em 1926 (tinha então 18 anos) e debutou como concertista em 1933, em Moscovo. A partir de 1934 repartiu a sua actividade musical de prestigiado professor, director de orquestra e concertista de afanosas tournées, que começaram pelas diversas repúblicas da então União Soviética.
Em 1937, David Oistrakh ganhou em Bruxelas o 1º prémio de interpretação do Concurso Rainha Isabel. Desde então, o seu impecável estilo e a sua técnica perfeita colocaram-no entre os maiores intérpretes do violino em todo o mundo. A partir de 1951 fez intermináveis digressões pela Europa e pela América, com a maior admiração de todos os críticos.
Gravou discos interpretando as mais importantes obras para violino e com as melhores orquestras. Foi considerada insuperável a gravação do Concerto para 2 Violinos, em Ré menor, de Bach, que fez com seu filho Igor Davidovich. E ficou célebre a gravação que fez, numa autêntica equipa de luxo (com o pianista Sviatoslav Richter, o violoncelista Mstislav Rostropovich e o maestro Herbert von Karajan) do Triplo Concerto de Beethoven.
David Oistrakh faleceu, em Amesterdão, no dia 24 de Outubro de 1974.


Concerto para violino, violoncelo e piano, de Beethoven
Violino: David Oistrakh
Piano: Sviatoslav Richter
Violoncelo: Mstislav Rostropovich
Orquestra Filarmónica de Berlim
Maestro: Herbert von Karajan

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01


O homem da dinamite

por Francisco Clamote, em 29.09.12
Já não é a primeira vez que António Borges, consultor do governo para as privatizações, lança mão do dinamite. Fê-lo ao vir declarar que era urgente a baixa de salários. Repetiu a cena com a apresentação da "boa" solução para a RTP, através da sua concessão a uma entidade privada. 
A meu ver, porém, ainda não tinha usado uma tão forte carga de dinamite como hoje, ao defender que as alterações que o Governo queria fazer à Taxa Social Única (TSU) constituíam uma medida "extremamente inteligente" e ao qualificar de "completamente ignorantes" os empresários que se manifestaram contra as alterações.
Que o homem não tem a mínima sensibilidade social está bem patente nas afirmações que tem proferido em catadupa. O que surpreende é a sua incapacidade para avaliar os efeitos das cargas de dinamite que usa.
Depois de o governo ter recuado na aplicação das referidas medidas, Borges, ao lançar esta bomba, insulta os empresários, dinamitando qualquer hipótese de o governo ainda vir a poder conseguir algum tipo de consenso com o mundo empresarial e, ao mesmo tempo, deixa Passos Coelho em muito maus lençóis. No mínimo, chama-lhe "frouxo".
Depois disto, o mais surpreendente é que Passos Coelho não despeça Borges sumariamente.
Será que Passos Coelho é suficientemente imbecil para não ver que Borges, tal como Relvas, só contribuem para denegrir ainda mais a sua imagem? Ou será que Coelho não passa dum "boneco" na mão destes dois "artistas"?Francamente, não vejo outra alternativa.
 Qual delas, a pior? Não sei, mas seja como for, certo é que nenhum dos três presta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:17


Oh Borges?, vai pró caralho!

por Rogério Costa Pereira, em 29.09.12

«António Borges interveio hoje no I Fórum Empresarial do Algarve, que decorre este fim de semana em Vilamoura e reúne mais de 300 empresários, economistas e políticos de Portugal, Brasil, Angola, Índia, Emirados Árabes Unidos e Moçambique.

"Que a medida é extremamente inteligente, acho que é. Que os empresários que se apresentaram contra a medida são completamente ignorantes, não passariam do primeiro ano do meu curso na faculdade, isso não tenham dúvidas", afirmou.» [Expresso]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58


Oh Macedo, eram estas as formigas que reclamavas?

por Rogério Costa Pereira, em 29.09.12

manif%282%29.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48


Os Troikanos

por Ana Bento, em 29.09.12


"Nunca tantos deveram tanto a tão porcos."


Millôr Fernandes

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41

o medo.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:29


Hoje é o dia da estaca de madeira!

por Rogério Costa Pereira, em 29.09.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:37


ética

por João Mendes, em 29.09.12

Nem sequer gosto muito do título deste tema. Enquanto existirem conselhos de ética como os que temos, sometimes is not enough. Não espero resposta, obviamente, mas é impossível não fazer a pergunta. Olha os no olhos e diz-me, é aqui que queres cortar, cabrão ? 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:11


Joaquin Nin - Pianista e compositor cubano

por António Filipe, em 29.09.12

No dia 29 de Setembro de 1879 nasceu, em Havana, o pianista e compositor cubano Joaquin Nin. Estudou composição na Schola Cantorum, onde também foi professor, de 1906 a 1908. Fez várias digressões como pianista e ficou conhecido como compositor e arranjador de música popular espanhola. Foi membro da Academia Espanhola e da Legião de Honra Francesa. Foi pai da escritora Anaïs Nin.
Joaquin Nin morreu em Havana, no dia 24 de Outubro de 1949.


Canção tradicional espanhola “El Vito”
Arranjos de Joaquín Nin
Soprano: Victoria de los Angeles
Piano: Gerald Moore

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01


Não presta. Deita fora!

por Francisco Clamote, em 28.09.12
Passos Coelho não disfarçou a sua  surpresa, ou antes, incomodidade, durante um almoço conferência sobre desenvolvimento sustentado, no Centro de Congressos do Estoril,  pelo facto de os próprios empresários terem rejeitado as alterações na TSU, o que revela, como bem salientou António José Seguro, que Passos Coelho ainda não compreendeu que é indigno e imoral transferir rendimentos do trabalho para financiar as empresas .

Não compreendeu, nem vai compreender, acrescento eu. Como também ainda não compreendeu que, perdida, de uma vez por todas, a sua já pouca credibilidade, mesmo para os empresários e até para a direita no seu todo, ele já não passa dum empecilho, impossibilitado que está de dar ao país a confiança de que ele precisa como pão para a boca, e que já nem sequer está em condições de levar a cabo as reformas que se propôs. 

Julgará ele que são fortuitos e sem causa os pronunciamentos vindos da área do seu próprio partido, desde  as violentas críticas desferidas por Manuela Ferreira Leite contra a sua política, passando por João Salgueiro (a considerá-lo impreparado para governar) até chegar a Marques Mendes (aconselhando-o a recolher à toca)?

É a direita a dizer: Não presta. Deita fora!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:15

Evento: http://www.facebook.com/events/356936964390396/
Adiram, compareçam, partilhem e convidem os vossos amigos. 
O Interior também existe (o "até quando" depende só de nós!).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15


Pedido público de desculpas

por joao moreira de sá, em 28.09.12

Venho publicamente apresentar ao Estado Português o meu sincero pedido de desculpas pela falta de ética dos meus pais. Ambos consumiram recursos do Serviço Nacional de Saúde devido a terem ousado ter cancro e, se no caso do meu pai, que o superou, as passadas, actuais e futuras contribuições para a Segurança Social compensarão, assim o espero, o dinheiro que o Estado gastou para o tratar, a situação da minha mãe foi um despesismo inqualificável, visto ter vindo a falecer. Resta-me esperar que o que também ela descontou para a(s) SS e o que o Estado arrecadou em imposto sobre o tabaco que matando não se inibe de vender por não ir contra a ética, perfaçam montante suficiente para ressarcir o Estado e respectivo Serviço Nacional de Saúde pelo valor dos tratamentos que se vieram a revelar afinal um desperdício de recursos.

Lamento profundamente que a minha mãe tenha morrido de forma tão pouco ética e terei todo o prazer em devolver o montante recebido sob a forma de subsídio de funeral que neste momento sinto ter aceite de forma também pouco ética.
Sem mais,
O cidadão João

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:30


Esforço Cognitivo

por Luís Grave Rodrigues, em 28.09.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:49

No dia 28 de Setembro de 1732, o compositor Johann Sebastian Bach sentou-se ao órgão para interpretar a estreia da sua Tocata e Fuga, BWV 538.
A Tocata e Fuga em ré menor, BWV 538, é uma obra para órgão, de Johann Sebastian Bach. Tal como a mais conhecida BWV 565, também se chama Tocata e Fuga em ré menor, embora seja, muitas vezes referida pelo nome de “Dórica”, devido ao facto de não ser propriamente em ré menor, mas sim num tom que parece indicar o modo dórico.
A Fuga, escrita em modo eólio, é longa e complexa. O estrito contraponto do desenvolvimento só é quebrado nos últimos quatro compassos, quando alguns acordes muito fortes transportam a obra para um fim impressionante.


1ª parte da Tocata e Fuga em ré menor, BWV 538 “Tocata Dórica”, de Johann Sebastian Bach
Órgão: Karl Richter

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:01


Portugal

por Luís Grave Rodrigues, em 27.09.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:45

Pág. 1/9



 

 

 

 

 

 

 

Autores

Alexandre Santos facebook LM

Ana Bento facebook Ana Bento

António Leal Salvado facebook LM

Quadratim

Célia Correia facebook Célia Correia
Filipe Figueiredo facebook Filipe Figueiredo
Francisco Clamote facebook FC

Terra dos Espantos

Hélder Prior facebook Hélder Prior

Herculano Oliveira facebook Herculano Oliveira

João de Sousa facebook João de Sousa

Ergo Res Sunt

João Moreira de Sá facebook JMStwitter Arcebisbo

Arcebispo de Cantuária

Micro Cuts

Lu Pelejão Eusébio facebook Lu Pelejão Eusébio

Luis Grave Rodrigues facebook LM twitter LGR

Random Precision

Diário de uns Ateus

Licínio Nunes facebook Licínio Nunes

Manuel Tavares facebook Manuel Tavares

Maria Helena Pinto facebook Maria Helena Pinto

Maria Suzete Salvado facebook MSS

robe de soir

Pedro Figueiredo facebook Pedro Figueiredo

Rogério da Costa Pereira facebook LM twitter RCP

O homem-garnisé...

cadáveres esquisitos

rui david facebook LM twitter rui david

Bidão Vil

itálicos

Arquivo

 

Adriano Pacheco

Ana Paula Fitas

António Filipe

Ariel

besugo

Catarina Gavinhos

Cristina Vaz

Fátima Freitas

Fernando André Silva

Isabel Moreira

Isabel Coelho

João Mendes

João Simões

lucy pepper

Luís Moreira

Luiz Antunes

Miguel Cardoso

Maria do Sol

Maria Duarte

Maria Mulher

Nuno Fernandes

Rolf Dahmer

Sofia Videira

Xavier Canavilhas


página facebook da pegadatwitter da pegadaemail da pegada



Comentários recentes

  • jamel

    Eu sou um credor que oferece empréstimos individua...

  • jamel

    Eu sou um credor que oferece empréstimos individua...

  • Cleiton

    Puts

  • Ana María Francisco

    O grupo Maria Isco fornece ajuda para resolver a c...

  • Juízes? Nem vê-los !

    E desde quando é que um juíz têm cérebro?Os juízes...

  • rodriguez

    Eu li uma testemunha disposta que falou de um hom...

  • james

    Testemunho Bom dia,Eu fiz uma descoberta que eu go...

  • fernandes

    Para a sua atenção Mais preocupado com seus proble...

  • Marceau robert

    préstamo testimonio entre particular, seria y sinc...

  • Luis Roland

    Bom dia, todos !!!Eu sou Luis Roland Eu gostaria d...


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2012
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2011
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2010
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2009
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2008
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Pesquisar

Pesquisar no Blog  





subscrever feeds